Crise financeira

Governo e banco central suíços ajudam maior banco do país


 

Lusa/AOonline   Economia   16 de Out de 2008, 12:10

O governo e o banco central suíço anunciaram uma série de medidas para estabilizar o sistema financeiro do país, reforçando as garantias de protecção dos depósitos bancários.
Em comunicado, o Departamento de Finanças (equivalente a Ministério das Finanças) referiu ainda que foi encarregado pelo Conselho Federal (governo) de apresentar até Março de 2009 um “projecto de revisão em profundidade dos sistema de garantia dos depósitos”.

    O Banco Nacional Suíço (BNS) e as autoridades suíças vão igualmente ajudar o principal banco do país, (a União de Bancos Suíços UBS), com o governo a subscrever acções no valor de 6 mil milhões de francos suíços (3,9 mil milhões de euros), enquanto o banco central vai gerir um fundo para onde vão ser transferidos activos do banco que poderão chegar a 60 mil milhões de dólares (45 mil milhões de euros).

    “A UBS vai receber 6 mil milhões de francos suíços em dinheiro fresco” através de uma emissão de acções “totalmente comprada pela Confederação Helvética”, indicou o banco em comunicado.

    “O Banco Nacional Suíço e a UBS assinaram um acordo que prevê a transferência de títulos actualmente ilíquidos, bem como outros activos, num montante máximo de 60 mil milhões de dólares, para um fundo autónomo”, acrescentou.

    A União de Bancos Suíços, principal banco helvético, é uma das instituições bancárias mundiais mais expostas à crise do “subprime” norte-americano, os créditos imobiliários de alto risco que estiveram na origem de uma grave crise financeira à escala mundial.

    A UBS registou nas últimas semanas uma depreciação dos seus activos no valor de 42,5 mil milhões de dólares (31,7 mil milhões de euros).

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.