Indústria

Governo alemão recusa pedido de ajuda da Opel


 

Lusa/AOonline   Economia   11 de Nov de 2008, 11:07

O governo alemão rejeitou apoiar um programa de ajuda de 40 mil milhões de euros solicitado pela Opel, sublinhando que considera “suficientes” as medidas de apoio à indústria automóvel aprovadas há uma semana.
    “A situação da indústria automóvel é um dos pontos centrais do pacote de ajudas para estimular a conjuntura, os problemas dos construtores de automóveis e dos fornecedores de componentes foram levados muito a sério”, disse um porta-voz do governo hoje em Berlim.

    No programa de apoio à conjuntura, que ainda terá de ser ratificado pelas duas câmaras legislativas (Bundestag e Bundesrat), para entrar em vigor em Janeiro de 2009, prevê-se a abolição temporária do imposto de circulação na compra de novos veículos.

    Em carta enviada a Angela Merkel, a Opel tinha solicitado adicionalmente o apoio do governo alemão ao programa de crédito do Banco Europeu de Investimentos, no valor de 40 mil milhões de euros.

    Além disso, a subsidiária europeia da General Motors propôs prémios a quem entregue carros velhos para reciclagem, e bonificações nos juros e deduções fiscais na compra de carros novos.

    O porta-voz do governo não respondeu directamente aos pedidos da Opel, afirmando que o pacote de ajudas aprovado pelo executivo “já cria estímulos à compra de carros novos”, e também reverte a favor dos fornecedores de componentes à indústria automóvel.

    A Opel suspendeu recentemente a produção nas suas fábricas na Alemanha, por duas semanas, devido à quebra na procura de novos veículos.

    Os outros fabricantes automóveis alemães tomaram medidas idênticas para fazer face à crise financeira.

    A imprensa alemã referiu que a Opel está também a preparar um programa de rescisões amigáveis de contratos de trabalho, e que terá de poupar 750 milhões de euros nas suas unidades de produção europeias em 2009.

    Já hoje, o matutino Handelsblatt noticiou que a Opel vai comunicar aos seus trabalhadores na Alemanha que não haverá aumentos salariais no próximo ano, medida com a qual pensa poupar cerca de 200 milhões de euros.

    O Sindicato alemão dos Metalúrgicos (IG Metall) está actualmente em negociações com o patronato e reivindica aumentos salariais de oito por cento para o próximo ano, que em princípio deveriam incluir também os operários da Opel.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.