Exposição "Um Atlas de Acontecimentos" encerra O Estado do Mundo


 

Lusa / AO online   Nacional   28 de Set de 2007, 16:33

O fórum cultural "O Estado do Mundo", destinado a assinalar os 50 anos da Fundação Calouste Gulbenkian, vai encerrar com a exposição "Um Atlas de Acontecimentos" que pode ser visitada a partir de 7 de Outubro.
A exposição de arte contemporânea reúne 28 obras de artistas de vários países e estará patente até 30 de Dezembro na galeria de exposições temporárias da sede da Fundação.

António Pinto Ribeiro, coordenador do fórum cultural que se propôs fazer ao longo de um ano uma reflexão sobre o tempo presente, explicou à Lusa que a exposição partiu também dessa premissa e as obras apresentadas constituem "uma avaliação subjectiva dos artistas sobre o estado do mundo".

Este projecto começou a ser preparado há cerca de dois anos e meio, adiantou Pinto Ribeiro, que juntamente com Debra Singer (de Nova Iorque) e Esra Sarigedik Oktem (de Istambul) é um dos curadores da exposição. 

"O Estado do Mundo" começou em Outubro do ano passado com uma conferência do professor Homi K. Bhabha, tendo sido lançado na ocasião um livro com o mesmo título do fórum com contributos de ensaístas de renome mundial.

Em Maio e Junho deste ano prosseguiu com um ciclo de conferências e a apresentação de várias obras de criação artística.

Agora, na terceira e última plataforma podem ser vistas obras que, segundo a Gulbenkian, são ensaios de perspectivas pessoais, que do ponto de vista dos artistas relacionam passado, presente e futuro.

Entre os artistas de vários países escolhidos a partir de uma lista com 100 nomes, encontram-se três portugueses - Ângela Ferreira, Paulo Nozolino e Rui Toscano.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.