Encontradas «caixas negras» entre destroços de avião

Encontradas «caixas negras» entre destroços de avião

 

Lusa / AO online   Internacional   30 de Nov de 2007, 15:49

As «caixas negras» do avião da companhia turca Atlasjet, que se despenhou na Turquia e causou a morte de todas as 56 pessoas a bordo, foram encontradas, anunciou a Autoridade da aviação civil.
A equipa de investigadores, que se deslocou ao local, «encontrou os aparelhos CVR e FDR, conhecidos como 'caixas negras', e continua a investigar no local do acidente», na província de Isparta, uma zona montanhosa do sudoeste da Turquia, declarou a autoridade em comunicado.

Os CVR (Cockpit Voice Recorder) destinam-se a registar as conversas da cabine de pilotagem e os FDR (Flight Data Recorder) a registar os dados do voo.

A investigação das conversas registadas nos dois aparelhos deverá permitir compreender as causas do acidente, hoje de madrugada, quando o avião se preparava para aterrar no aeroporto de Isparta.

As condições meteorológicas eram boas no momento do acidente e os pilotos, experientes, não referiram a existência de qualquer problema.

O aparelho, um McDonnell Douglas 83, levantou voo de Istambul às 00:51 locais (22:51 de quinta-feira em Lisboa), com 49 passageiros e sete tripulantes a bordo, entre os quais dois pilotos, um técnico e quatro hospedeiras.

Desapareceu dos radares às 1:36 locais (23:36 em Lisboa) pouco depois de o piloto ter prevenido a torre de controlo que estava a iniciar a descida para aterrar no aeroporto de Isparta.

A Atlasjet, criada em 2001 e com uma frota de 15 aviões, tinha alugado o aparelho a uma outra companhia, precisou.

A companhia «low cost» foi criada em 2001 pelo operador de viagens turco Oger Tours. Com uma frota de 15 aparelhos, a empresa estabelece ligações com aeroportos turcos e estrangeiros, nomeadamente na Áustria, Itália, Espanha e Balcãs.

Em 2003, um avião da transportadora Turkish Airlines despenhou-se perto de Diyarbakir, região curda do sudeste do país, causando 75 mortos.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.