Empresa em risco de insustentabilidade financeira a partir de 2014

Empresa em risco de insustentabilidade financeira a partir de 2014

 

Lusa/AO Online   Economia   19 de Set de 2011, 07:22

A Estradas de Portugal (EP) deverá enfrentar "sérias dificuldades" em financiar-se em 2013, correndo o risco de insustentabilidade financeira a partir de 2014, segundo um relatório da Inspecção-Geral das Finanças (IGF), a que a Lusa teve acesso.

"Face à atual conjuntura dos mercados financeiros e aos consequentes constrangimentos que a generalidade das empresas enfrenta para obter financiamento, que já se começam a fazer sentir na EP, e caso não sejam tomadas outras medidas, nomeadamente a intervenção do Estado, a empresa irá enfrentar sérias dificuldades em se financiar em 2013", lê-se no documento elaborado entre setembro de 2010 e junho deste ano.

A equipa que fez o relatório afirma mesmo "perspectivar-se a insustentabilidade financeira [da EP] a partir de 2014, dado o considerável agravamento da situação financeira em consequência do início dos pagamentos das subconcessões contratadas nos últimos três anos".

Segundo o documento, com base nas projeções da EP dos 'cash-flows' (valor recebido e pago por um negócio durante um determinado período) plurianuais das concessões e subconcessões até 2015 (encargos líquidos), "é possível antecipar o significativo acréscimo das necessidades de financiamento a partir de 2014".

Este agravamento, originado pelo início dos pagamentos das subconcessões, deve ascender a 732,9 milhões em 2015, enquanto a dívida bancária deve atingir 4.255,5 milhões, com um crescimento de 2.254,8 milhões em cinco anos (2011-2015).

A auditoria conclui que a estrutura da dívida bancária, essencialmente de curto prazo (77,5 por cento), é "desadequada face ao perfil de longo prazo da atividade da EP e aumenta o risco de refinanciamento".

Apesar de a cobrança de portagens das SCUT "atenuar" o crescimento das necessidades de financiamento da empresa a partir deste ano, "as receitas daí resultantes continuam a ser notoriamente insuficientes, sobretudo com o início dos pagamentos das subconcessões em 2014".

As receitas líquidas da cobrança de portagens deverão totalizar 221,7 milhões de euros em 2012.

A partir deste ano, a EP prevê uma "acentuada degradação" do resultado líquido - prejuízo de 75,2 milhões de euros em 2012 -, "devido a registo de gastos com conservação e financiamentos relacionados com subconcessões que entram ao serviço, de forma gradual, a partir de 2011 (274,9 milhões de euros)".

Estes gastos vão agravar-se no futuro, à medida que vão entrando em serviço mais subconcessões.

No período 2008-2010, a EP registou uma melhoria do resultado líquido, que subiu de 53,3 milhões de euros em 2008 para 110,2 milhões de euros em 2010.

Ainda este ano, está previsto que a EP pague cerca de 16 milhões de euros, relativos ao acordo de reequilíbrio financeiro da concessão Lusoponte.

Em sede de contraditório, a EP refere que o seu enquadramento legal "não permite a intervenção do Estado, nomeadamente devido ao contrato de concessão celebrado entre a EP e o Estado".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.