Economia é o tema central da mensagem de Natal

 Economia é o tema central da mensagem de Natal

 

Lusa/AO Online   Nacional   24 de Dez de 2009, 10:11

O primeiro-ministro dirige sexta-feira aos portugueses a tradicional mensagem de Natal, depois de há um ano ter centrado o discurso na crise internacional, garantindo que o Governo usaria todos os recursos para auxiliar empresas, trabalhadores e famílias.

Falando de pé, rompendo uma tradição em que o chefe de Governo surgia sentado, o primeiro-ministro salientou então que o ano de 2009 iria ser "difícil e exigente para todos", razão pela qual o dever do seu Governo seria "não ficar à espera que os problemas se resolvam por si próprios".

"Pela minha parte, e pela parte do Governo, quero garantir-vos que não temos outra orientação que não seja defender o interesse nacional neste momento particularmente difícil. E defender o interesse nacional é usar todos os recursos ao nosso alcance, com rigor, sentido de responsabilidade e iniciativa, para ajudar as famílias, os trabalhadores e as empresas a superarem as dificuldades, e para incentivar o investimento económico que gera riqueza e emprego", disse.

De resto, os discursos de Natal de José Sócrates - sexta-feira será o seu quinto - são habitualmente centrados na situação económica e social do país.

Em 2007, o primeiro-ministro manifestava-se confiante de que Portugal estaria em 2008 mais bem preparado para enfrentar os desafios e incertezas da economia global, no ano em que o défice orçamental ficou abaixo dos três por cento e o crescimento económico próximo dos dois por cento.

Em 2006, o tom foi ainda mais optimista, com o chefe de Governo a defender que a economia, as contas públicas e o emprego estavam a melhorar "passo a passo" em Portugal, sublinhando que esse foi o ano em que "as coisas começaram finalmente a melhorar", embora de forma gradual.

"Melhorou a confiança - nos consumidores e nos empresários. Melhorou a economia - com previsões de crescimento económico acima de todas as expectativas. Melhoraram as nossas exportações - as empresas portuguesas estão a vender mais e melhor no mercado global", salientava há três anos o primeiro-ministro.

Na sua primeira mensagem de Natal como primeiro-ministro, em 2005, José Sócrates classificou esse como o ano da mudança na vida do país e apelou à "compreensão e cooperação" dos portugueses para continuar o rumo que o Governo está a seguir.

"Sabemos todos que há muitas coisas que é preciso mudar em Portugal para que possamos garantir aqui um futuro melhor, para nós e para os nossos filhos. Pois essa mudança já começou. Finalmente começou", disse em 2005.

Este ano, Sócrates vai dirigir-se pela primeira vez aos portugueses como chefe de um Governo minoritário e com uma situação económica bem mais difícil do que há alguns anos: as previsões de Outono da Comissão Europeia estimam uma deterioração do défice orçamental português de 2,6 por cento do PIB, em 2008, para 8,0 por cento em 2009 e em 2010.

De acordo com Bruxelas, a economia portuguesa vai decrescer 2,9 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) este ano. Para 2010 o crescimento previsto é de 0,3 por cento e para 2011 de 0,1 por cento. A taxa de desemprego estimada para este ano e para 2010 é de nove por cento.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.