Jornal de Campanha

"É preciso atacar males que minam a saúde na Região"

"É preciso atacar males que minam a saúde na Região"

 

Luísa Couto   Regional   16 de Out de 2008, 11:38

Foi com a "crise" que foi dado o pontapé de saída para o debate da rádio e televisão pública nos Açores...
Uma tema que serviu para o líder regional do CDS-PP, Artur Lima, voltar à carga em algumas das propostas do partido - em matéria de fiscalidade - para aliviar o sufoco financeiro em que já se encontram muitas famílias e, ao mesmo tempo,  assegurar sustentabilidade ao tecido económico das ilhas. A devolução mensal do IVA, a redução das taxas de retenção na fonte e o pagamento atempado às empresas por parte de entidades públicas, foram algumas das medidas enumeradas pelo dirigente dos democratas-cristãos nos Açores. Inevitável foi também a pergunta sobre o Rendimento Social de Inserção, trazido à agenda pelo líder nacional dos populares, Paulo Portas, e tão badalado ao longo desta campanha eleitoral. Após uma congratulação, em  tom irónico,  a Carlos César, por este se ter lembrado de falar no assunto, Artur Lima reiterou a intenção de “fiscalizar ao cêntimo” a atribuição do referido apoio, para além de “pôr os seus beneficiários ao serviço da comunidade sempre que necessário”.  A saúde, considerado o“calcanhar de Aquiles” do actual Governo, também mereceu do líder regional do CDS-PP reparos, sobretudo ao nível das suas principais falha: falta de médicos e o consequente acesso moroso aos cuidados. Nessa área, Artur Lima fez mesmo questão de frisar que tudo passa por “uma questão de vontade política”. No entender do dirigente dos populares, “mais do que fazer infra-estruturas, é preciso atacar males que minam o Serviço Regional de Saúde”, referindo-se, por exemplo, a eventuais “esbanjamentos” em áreas que não serão prioritárias.
Em campanha antes do debate
 À chegada à ilha de São Miguel, antes de participar no debate, Artur Lima salientou que a taxa de combustível aplicada pelas companhias aéreas já devia ter sido revista há mais de três meses.“Ela foi aumentada quando o petróleo estava a 140 dólares, o petróleo hoje está a menos de 80 dólares”, adiantou o líder do CDS-PP à Agência Lusa.
Posto isso,  Artur Lima ainda teve tempo de  percorrer algumas das principais ruas da cidade de Ponta Delgada. Nos contactos de rua, deixou a mensagem de que “é importante que não haja maioria absoluta”, alegando que o “melhor período para os Açores” foi entre 1996 e 2000, quando o socialista Carlos César governou com maioria relativa.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.