Crianças

Direitos dos mais pequenos continuam a não ser respeitados em Portugal

Direitos dos mais pequenos continuam a não ser respeitados em Portugal

 

Lusa/AO online   Nacional   18 de Nov de 2011, 15:52

Em Portugal, "as crianças continuam a não ver respeitados os seus direitos", sustenta Manuel Almeida dos Santos, da Amnistia Internacional, referindo "a negligência" como o primeiro factor de risco.
"Em Portugal, como em muitas partes do mundo, as crianças continuam a não ver respeitados os seus direitos constantes na Convenção dos Direitos das Crianças, de que Portugal é Estado-parte e está obrigado a cumprir", frisa Manuel Almeida dos Santos, coordenador do Cogrupo sobre os Direitos das Crianças da Amnistia Internacional-Portugal, que organiza sábado, no Porto, o seminário internacional "Os Direitos das Crianças na Actualidade".

"Neste momento, acabamos por concluir que os dados são muito preocupantes", realça Manuel Almeida dos Santos, em declarações à agência Lusa, falando mesmo num “quadro negro”.

“A negligência” é o primeiro factor de risco, diz. “O direito a ser acompanhado, pela família e pela sociedade, é aquele que está mais em risco de não ser respeitado”, indica.

Segue-se a “exposição a modelos de comportamento desviante”, acrescenta o activista, recordando que “muitos dos jogos de computador, muitos dos desenhos animados” representam “situações de violência, de ódio, de agressão, de morte”.

Em terceiro lugar surgem os “maus tratos psicológicos e físicos e o abandono escolar”, acrescenta.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.