Sociedade

Desperdício alimentar é "crime contra os que passam mal"

Desperdício alimentar é "crime contra os que passam mal"

 

Lusa/AO Online   Nacional   8 de Dez de 2012, 13:45

O porta-voz da Conferência Episcopal, o padre Manuel Morujão, considerou hoje o desperdício alimentar "um crime contra aqueles que estão a passar mal", sublinhado que há "inércia e falta de iniciativa para rentabilizar o que sobra".

"Sendo a alimentação um assunto de emergência nacional porque há franjas da nossa população que sabem que a palavra fome não está no dicionário a mais, mas é uma experiência viva que sentem, todo o desperdício é de alguma maneira um crime contra aqueles que estão a passar mal sobretudo nestes tempos de crise. É uma desonestidade que importa evitar", disse Manuel Morujão. O porta-voz da Conferência Episcopal portuguesa comentava assim as primeiras conclusões de um estudo nacional sobre desperdício alimentar, antecipadas hoje pelos jornais Público e Expresso, que indica que Portugal perde anualmente um milhão de toneladas de alimentos. O valor corresponde a 17 por cento dos alimentos que o país produz para consumo humano e as perdas ocorrem ao longo de toda a cadeia de aprovisionamento (produção, transformação e consumo). Apesar do valor ser inferior à média europeia, cada habitante português desperdiça 97 quilos de alimentos por ano. "Não é por má intenção que estas coisas acontecem. Acho que há inércia e falta de iniciativa para rentabilizar aquilo que sobra. O que sobra a alguém é o que falta a outras pessoas, que vivem com carências alimentares, por vezes graves", sublinhou Manuel Morujão. O porta-voz da Conferência Episcopal sublinhou que em Portugal existem já boas iniciativas de combate ao desperdício, nomeadamente nos restaurantes, defendendo o reforço do investimento nesta área. "Há já belas iniciativas daqueles que recorrem a restaurantes e outras casas de alimentação para darem depois [as sobras] a obras de assistência social, cantinas, refeitórios sociais e, muitas vezes, levando a alimentação à casa das pessoas que são conhecidas como tendo necessidades alimentares", disse. "É uma frente de batalha em que é preciso investir para que haja menos desperdícios e que mais pessoas sintam que na sua mesa não falta o pão de cada dia. É uma questão de estrita justiça social[...]as questões de alimentação são questões sobrevivência e do mínimo de dignidade humana que devem ter todos", acrescentou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.