Delegação do Brasil em Jerusalém será comercial, diz Bolsonaro

Delegação do Brasil em Jerusalém será comercial, diz Bolsonaro

 

Lusa/Ao online   Nacional   31 de Mar de 2019, 21:02

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, detalhou este domingo que a delegação brasileira anunciada em Jerusalém será de caráter comercial, para promover tecnologia e inovação, uma extensão da embaixada brasileira em Telavive. 

Horas antes das declarações do chefe de Estado brasileiro, que iniciou hoje uma visita oficial a Israel, o ministro dos Negócios Estrangeiros israelita, Israel Katz, tinha anunciado a intenção do Brasil de abrir uma delegação diplomática na 'Cidade Santa', considerada sagrada pelas três religiões monoteístas abraâmicas - judaísmo, cristianismo e islamismo.

"Aproximamo-nos a países que estão alinhados connosco nas tradições, na cultura, na democracia, e na fé em Deus. Abriremos em Jerusalém uma delegação para promover o comércio, o investimento, a tecnologia e a inovação", avançou Bolsonaro, numa conferência de impressa conjunta com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu.

O chefe de Governo israelita agradeceu a decisão e considerou que poderá ser "o primeiro passo" para uma futura embaixada do Brasil em Jerusalém, "a capital de Israel".

Bolsonaro, durante a sua campanha eleitoral, tinha prometido transferir a representação diplomática de Telavive, seguindo os passos dos Estados Unidos e Guatemala, contrários ao consenso internacional.

A oposição de parte do Executivo de Bolsonaro a este movimento, devido às relações comerciais que mantêm com os países árabes na venda de carne halal (permitida para consumo pela lei islâmica), terá levado a que promessa se traduzisse a uma delegação comercial.

Ativistas israelitas protestaram hoje perto do aeroporto na chegada de Bolsonaro ao país, acenando uma bandeira arco-íris com as palavras de ordem "A Terra Santa não quer homofóbicos aqui" em português.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.