Défice da balança comercial com países extra UE diminuiu no terceiro trimestre


 

Lusa/AO Online   Economia   9 de Dez de 2008, 15:18

As exportações de Portugal para os países fora da União Europeia aumentaram 16,6 por cento e as importações cresceram 3,6 por cento no trimestre terminado em Outubro, desagravando o défice da balança comercial, revelou hoje o INE.

   O desacelerar das importações desagravou o défice da balança comercial extracomunitária em 228,5 milhões de euros, devido essencialmente à forte quebra das importações de combustíveis e lubrificantes e à descida do preço do petróleo de Brent nos mercados internacionais, refere o Instituto Nacional de Estatística.

    Entre Agosto e Outubro, as exportações subiram 16,6 por cento para 2.554 milhões de euros face aos 2.192 milhões de euros registados em igual período de 2007.

    As importações cresceram 3,6 por cento, de 3.769 milhões de euros entre Agosto e Outubro de 2007 para 3.903 milhões de euros em igual período deste ano.

    A taxa de cobertura das importações pelas exportações subiu 7,2 pontos percentuais face a período homólogo.

    O INE refere que, sem os combustíveis e os lubrificantes, as exportações cresceram 19,3 por cento e as importações diminuíram 0,4 por cento entre Agosto e Outubro, face ao período homólogo.

    Neste caso, o saldo da balança comercial regista um superavit de 199,8 milhões de euros, o que, segundo o INE, demonstra “claramente a importância dos combustíveis e lubrificantes no comércio extracomunitário no saldo da balança comercial com os países terceiros”.

    O maior aumento das importações no trimestre terminado em Outubro deste ano verificou-se na categoria “máquinas e outros bens de capital”, com mais 27,5 por cento, e nas exportações o maior aumento registou-se na categoria “fornecimentos industriais”, mais 32,8 por cento, e “matéria de transporte e acessórios”, que cresceu 21,7 por cento

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.