Crise obriga a cortar nas iluminações e a optar por soluções mais criativas

Crise obriga a cortar nas iluminações e a optar por soluções mais criativas

 

Lusa / AO online   Regional   20 de Nov de 2011, 11:57

As ruas das principais cidades dos Açores vão estar menos iluminadas nesta quadra natalícia na sequência da redução de custos decidida pelas autarquias, que apostam mais em soluções criativas, aproveitando os candeeiros públicos e a reciclagem de materiais.

Um dos exemplos vem da Praia da Vitória, na Terceira, onde a câmara vai aproveitar a iluminação pública para "dar um toque de Natal" às ruas do centro.

“É uma solução criativa e poupamos no aluguer de equipamentos e no consumo de energia”, afirmou Paulo Codorniz, vereador da Cultura, em declarações à Lusa, admitindo ainda que venha a ser reduzida a área iluminada, na sequência do corte nos custos que a autarquia está a implementar.

No mesmo sentido, a zona com iluminações de Natal em Ponta Delgada será reduzida para menos de metade, ficando este ano limitada às "Portas da Cidade, Praça do Município e Largo da Matriz", revelou à Lusa uma fonte do município.

Ainda para reduzir custos, "a montagem da iluminação de Natal estará a cargo dos funcionários do município", já que não foi renovado o contrato com a empresa do setor que terminou no ano passado.

Em Angra do Heroísmo, na Terceira, a iluminação de Natal também será montada pelos funcionários municipais, estando ainda prevista a "utilização de iluminações antigas e recicladas", nomeadamente das Festas Sanjoaninas", revelou uma fonte autárquica.

A área iluminada na cidade que é Património Mundial será, no entanto, a mesma de anos anteriores, "uma vez que já é uma zona reduzida, onde está concentrado o comércio".

Os cortes nas despesas vão também ser sentidos na Ribeira Grande, em S. Miguel, onde haverá uma "redução de 75% na iluminação de Natal", adiantando uma fonte do município que as luzes só vão brilhar "na Fachada da câmara municipal e no Largo do Teatro".

Na Horta, Faial, José Leonardo da Silva, vice-presidente da autarquia, revelou que este ano "não será feito nenhum investimento na iluminação", estando prevista a utilização de materiais de anos anteriores, além de uma redução na zona iluminada e no tempo que as luzes estão acesas.

"Anteriormente as ruas estavam iluminadas até à 01:00, mas este ano apenas estarão até às 23:00", afirmou, acrescentando que as iluminações de Natal se vão restringir aos quatro jardins da cidade e aos arruamentos que ligam estes espaços.

No Corvo, a mais pequena ilha dos Açores, a tradição vai ser mantida este ano, com a iluminação de apenas uma árvore, uma criptómeria, no exterior dos Paços do Concelho.

"Antes era assim e agora, com a crise, muito mais", afirmou Manuel Rita, presidente da Câmara do Corvo, defendendo que esta não é altura para "entrar em euforias".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.