Açoriano Oriental
Crescimento da zona euro vai permanecer fraco nos próximos meses
O crescimento da economia da zona euro vai permanecer fraco nos próximos meses, segundo os indicadores avançados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).
article.title

Foto: SXC/Sanja Gjenero
Autor: Lusa/AO online

Os indicadores compósitos da OCDE para setembro revelam que as economias avançadas da organização vão estabilizar nos próximos meses, depois do abrandamento verificado nos meses anteriores, com os EUA, o Japão e o Canadá a mostrar sinais de estabilização.

Para Portugal, os indicadores compósitos subiram pelo sexto mês consecutivo em setembro para 99,39 pontos a média da série – em agosto estavam nos 98,69 pontos - apontando para um desagravamento da deterioração da economia.

Para a maior parte dos países emergentes - China, Rússia, Índia - o panorama apresentado pela OCDE é de abrandamento ou estabilização, à exceção do Brasil, onde a organização antevê uma retoma do crescimento nos próximos meses.

Os indicadores avançados da OCDE visam prever pontos de viragem na tendência da atividade económica nos seis a nove meses seguintes. Ou seja: um ponto de viragem nos indicadores da OCDE (por exemplo, uma retoma) é seguido seis meses depois pela economia real.

Entre as principais economias da zona euro, que em setembro se mantiveram nos 99,4 pontos da média da série, a OCDE espera que o crescimento continue a ser fraco na França e na Alemanha e a estabilizar em Itália.

No contexto europeu, a única exceção significativa é o Reino Unido, onde os indicadores apontam para uma retoma.

Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.