Banca

Crédito total concedido às empresas cai, malparado aumenta

Crédito total concedido às empresas cai, malparado aumenta

 

Lusa/AO online   Economia   20 de Out de 2011, 16:35

O crédito total concedido pela banca às empresas caiu 0,2 por cento em Agosto relativamente ao ano anterior, a segunda quebra consecutiva, enquanto o crédito malparado aumentou, segundo dados divulgados pelo Banco de Portugal (BdP).
Depois de uma década em que a massa total dos empréstimos dos bancos portugueses a sociedades não financeiras subiu constantemente, Agosto foi o terceiro mês consecutivo em que não se registou qualquer subida. Em Junho, a taxa de variação foi nula; em Julho, houve uma quebra de 0,1 por cento; e em Agosto, o crédito reduziu-se 0,2 por cento em relação ao mesmo mês do ano anterior.

A redução do crédito concedido não é transversal a todas as áreas de actividade económica. No entanto, e de acordo com os dados hoje divulgados pelo BdP no seu Boletim Estatístico, o crédito concedido a alguns dos sectores mais importantes reduziu-se, entre os quais a construção (menos 4,1 por cento), o sector automóvel (menos 1,1 por cento) e o imobiliário (4,2 por cento).

O problema da falta de liquidez da economia portuguesa e de financiamento às empresas foi levantado esta semana pelo ministro da Economia e do Emprego, Álvaro Santos Pereira. O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos, José de Matos, garantiu contudo na quarta-feira que Portugal "não vive um 'credit crunch'” [escassez de crédito].

Os números do BdP mostram ainda que o crédito malparado nos empréstimos às empresas subiu em Agosto, atingindo o seu valor percentual mais alto desde 1998.

Num volume total de 116,2 mil milhões de euros em crédito concedido às empresas, 6.472 milhões são considerados de cobrança duvidosa. Em termos percentuais, estes valores equivalem a dizer que 5,7 por cento dos créditos concedidos às empresas são malparados.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.