Costa Neves foi "lobo do mar" numa viagem marítima para o Corvo


 

Lusa/AO   Regional   6 de Out de 2008, 06:27

O líder do PSD/Açores e candidato a presidente do Governo nas eleições regionais sentiu-se ontem um "lobo do mar", quando enfrentou condições atmosféricas adversas para chegar ao Corvo a bordo de um semi-rígido.
A travessia marítima entre a ilha das Flores e do Corvo, um percurso com cerca de 10 milhas náuticas, demorou uma hora e dez minutos a realizar, com a comitiva social democrata a ter de enfrentar vagas de dois a três metros, chuva e vento, sob um céu cinzento para chegar à mais pequena ilha dos Açores.

    Descalço, de calças enroladas pelos tornozelos e casaco de chuva azul-escuro, Costa Neves confessou já ter feito viagens marítimas piores na vida, acrescentando que "são os socialistas que preferem andar de avião" entre as ilhas.

    "Hoje está bom. Já fiz esta viagem (Flores/Corvo) com o mar bem pior", confessou à agência Lusa o líder do PSD/Açores, que avistou a meio da viagem, um tubarão e vários golfinhos a saltar mesmo em frente ao barco, o que lhe permitiu ironizar: "até os golfinhos do mar das Flores vão votar PSD".

    No dia em que arranca oficialmente a campanha eleitoral nos Açores, Costa Neves teve de passar por quatro das nove ilhas para chegar ao Corvo, uma ilha onde vivem cerca de 400 habitantes e que elege dois dos 57 deputados regionais para o parlamento açoriano a 19 de Outubro.

    Com milhares de horas de voo no currículo, o líder do PSD/Açores e a sua comitiva partiram às 8:30 (9:30 no Continente) do Pico, no "Cruzeiro do Canal", rumo à vizinha ilha do Faial, seguindo duas horas depois de avião para as Flores, onde apanharam "boleia" de um semi-rígido para conseguirem chegar à mais pequena ilha do arquipélago.

    Em terra firme, Costa Neves lançou-se pelas estreitas e encruzilhadas ruas da vila, acompanhado do cabeça de lista do PSD/Açores pelo Corvo, José Manuel Nunes, batendo nas portas dos corvinos para trocar breves palavras e distribuir os típicos brindes, como canetas, isqueiros e panfletos, que ostentam a máxima do partido "Melhor é Possível".

    A uma jovem que estava sentada à porta de casa a navegar na internet num portátil, Costa Neves fez questão de entregar um panfleto com a sua fotografia e elogiar o seu comportamento, numa ilha onde a internet é gratuita devido à cobertura do sistema de rede sem fios.

    Numa das poucas acções de rua em que Costa Neves participou, o candidato "laranja" bateu à porta da pessoa tida como a mais rica do Corvo, uma idosa viúva com 86 anos, com quem descobriu ter um grau de parentesco.

    Convidado a entrar na habitação, Costa Neves deu dois beijos a Lurdes Avelar, que o levou de imediato para a cozinha com o intuito de mostrar fotos do baptizado do neto do líder do PSD/Açores.

    "Conheço este senhor. Ainda somos família, porque o meu marido era tio da Fátima (mãe do genro do Costa Neves)", explicou aos jornalistas a idosa de cabelos brancos e figura franzina, logo interrompida pelo cabeça de lista pelo Corvo para apressar a visita, com a justificação de que "há muitas casas para visitar".

    Até ao momento os sociais-democratas açorianos têm apostado, essencialmente, na realização de jantares comícios com os militantes, onde são servidas sopas do Espírito Santo, Arroz Doce e os discursos dos cabeças de lista pelas ilhas e do líder regional do partido.

    Depois de ter estado no Faial, São Jorge, Pico e Corvo, a comitiva do PSD/Açores apanha segunda-feira o avião para rumar à ilha das Flores, onde tem previsto um jantar comício.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.