Costa espera que manifestação de “coletes amarelos” decorram com “respeito pela legalidade”

Costa espera que manifestação de “coletes amarelos” decorram com “respeito pela legalidade”

 

Lusa/AO Online   Nacional   20 de Dez de 2018, 09:53

O primeiro-ministro mostrou-se tranquilo quanto às manifestações em Portugal, na sexta-feira, dos “coletes amarelos”, movimento cujos protestos em França causaram vários mortos, muitos feridos e avultados danos, afirmando apenas esperar que decorram com “respeito pela legalidade”.

“O direito de manifestação é um direito constitucional que existe em Portugal, faz parte da nossa vida democrática e em liberdade, exercido no respeito pelas regras do Estado de direito. Portanto, aquilo que é legítimo esperar, como é, aliás, tradicional em Portugal, é que as manifestações existam, como existem quase todos os dias no nosso país, e que decorram com a calma, a tranquilidade e o respeito pela legalidade, como também é tradição. E é assim que espero que aconteça no dia 21”, disse António Costa à imprensa.

“Aquilo que me compete assegurar, como primeiro-ministro, é, primeiro, que quem se quer manifestar tenha a liberdade de se manifestar e, em segundo lugar, que a manifestação decorra nos termos estritos da legalidade”, sublinhou o primeiro-ministro.

Desde 17 de novembro, e durante cinco sábados consecutivos, correram mundo as imagens de violência dos protestos do movimento dos “coletes amarelos”, nascido em França contra o aumento do preço dos combustíveis e que acabou por se transformar num movimento de contestação à escala nacional, mobilizando, via redes sociais, centenas de milhares de pessoas em todo o país.

Segundo a Amnistia Internacional, seis pessoas morreram e 1.407 ficaram feridas durante os protestos, 46 das quais com gravidade.

Veículos incendiados e monumentos vandalizados, pilhagens, confrontos e detenções foram cenários habituais durante essas cinco jornadas de contestação social em França, e não houve reforço de dispositivo policial que travasse a ira dos manifestantes.

Em Portugal, a PSP já anunciou que vai estar de prevenção na próxima sexta-feira, antecipando "manifestações de grande dimensão em todo o país", razão pela qual suspendeu mesmo as folgas marcadas pelos efetivos.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.