Conservadores apoiam boicote de Brown à cimeira com África

Conservadores apoiam boicote de Brown à cimeira com África

 

Lusa/ AO online   Internacional   2 de Out de 2007, 16:00

O partido Conservador expressou esta terça-feira o apoio ao boicote do primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, à cimeira UE/África se o presidente do Mugabe estiver presente, opondo-se a que Robert Mugabe seja convidado.
       "Pedimos ao nosso governo que se assegure que Mugabe não seja convidado para a cimeira africana com a União Europeia, e apoiamos a posição que tomaram", revelou hoje o ministro sombra dos Negócios Estrangeiros, William Hague.

    A posição dos Conservadores, principal partido na oposição parlamentar ao governo Trabalhista, foi tornada pública hoje durante o discurso de Hague [antigo líder do partido] num discurso no congresso dos "Tories" em Blackpool, no sul do país.

    "Mugabe e os seus parasitas crónicos não devem ter dúvida nenhuma de que a ruína do seu próprio país fez deles párias internacionais", sublinhou.

    Gordon Brown anunciou há duas semanas que não participará se Robert Mugabe estiver presente na cimeira agendada para 08 e 09 de Dezembro, em Lisboa, no âmbito da presidência portuguesa da UE.

    A situação no Zimbabué tem-se agravado nos últimos meses, com a falta de produtos alimentares e outros bens, nomeadamente combustível, fazendo disparar a taxa de inflação para perto dos sete mil por cento e o desemprego para os 80 por cento.

    "Pedimos a todos os líderes africanos para assumirem as suas responsabilidades e lidarem com esta situação entre si", apelou Hague, que desafiou a UE a "apertar" com o regime de Harare e "alargar as sanções a quem lucra com a pilhagem do seu próprio país".

    O presidente zimbabueano e mais 130 figuras do seu regime estão banidas de viajar até ao continente europeu devido às sanções em vigor impostas pela União Europeia (UE) por causa do desrespeito dos direitos humanos no país.

    Gordon Brown já prometera apresentar uma proposta para o alargamento das sanções a familiares de figuras actualmente abrangidas pelas restrições de viagem e congelamento de activos, provavelmente a 15 de Outubro, na reunião de ministros de Negócios Estrangeiros, no Luxemburgo.

    William Hague defendeu ainda que "chegou a altura" de retirar o título honorário de Cavaleiro Comandante da Ordem de Bath, atribuído a Robert Mugabe em 1994 pela rainha Isabel II.

    Outro título honorário, atribuído em 1984 pela Universidade de Edimburgo ao presidente do Zimbabué por "serviços à Educação em África", foi revogado em Junho devido ao desrespeito dos direitos humanos no país.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.