Conselho nacional do PSD

Conselho Nacional decide hoje posição sobre forma ratificação Tratado UE


 

Lusa/AO   Nacional   30 de Out de 2007, 05:14

O Conselho Nacional do PSD reúne-se hoje à noite para discutir a posição dos sociais-democratas quanto à forma de ratificação do Tratado da União Europeia e o sentido de voto da proposta de Orçamento de Estado para 2008.
Cumprindo uma promessa que tinha feito durante a campanha para as eleições internas, o novo líder social-democrata, Luís Filipe Menezes, anunciou há uma semana e meia que irá propor ao Conselho Nacional, órgão máximo do partido entre congressos, que o Tratado Reformador da União Europeia (UE) seja ratificado por via parlamentar.

    Esta posição da nova direcção do PSD surge depois do Conselho Nacional do partido ter aprovado em Junho, e por unanimidade, uma moção apresentada pela equipa do então presidente do PSD, Luís Marques Mendes, onde era declarada "a exigência" do partido quanto à realização de um referendo do documento.

    Quatro meses depois, o novo líder do PSD justifica a defesa pela ratificação do Tratado Reformador da UE por via parlamentar com a necessidade de "acelerar" o processo.

    "Achamos que neste momento há todas as razões para acelerar a ratificação do Tratado à escala de toda a Europa", afirmou Luís Filipe Menezes horas depois da aprovação do Tratado Reformador da UE, em Lisboa.

    A posição de Luís Filipe Menezes deverá, contudo, ser contestada por alguns conselheiros nacionais, como João Bosco Mota Amaral, que encabeçou a lista do líder social-democrata ao Conselho Nacional, e o autarca de Tavira Macário Correia que defendem a realização de um referendo.

    Na primeira reunião do Conselho Nacional após a eleição de Luís Filipe Menezes para a liderança do PSD, será ainda discutido o sentido de voto do partido no Orçamento de Estado para 2008.

    Há cerca de uma semana e meia, a comissão política do PSD aprovou, por unanimidade, o voto contra a proposta orçamental do Governo.

    No XXX Congresso do PSD, realizado há cerca de duas semanas em Torres Vedras, Luís Filipe Menezes elegeu 20 representantes para o Conselho Nacional, falhando a maioria dos 55 lugares efectivos daquele órgão.

    A segunda lista mais votada foi votada para o Conselho Nacional foi a encabeçada pelo presidente da Câmara de São João da Madeira e antigo secretário de Estado de Cavaco Silva, Castro Almeida, que elegeu 17 representantes.

    Seguiu-se a lista encabeçada pelo deputado Pedro Duarte, que conseguiu eleger 9 conselheiros, enquanto a lista liderada por Miguel Goulão conquistou 5 lugares.

    A lista, encabeçada por Ângelo Pereira elegeu dois representantes, tal como a lista liderada por Fernando Luís Vales.

    A lista de Paulo Moreira elegeu apenas um representante.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.