Política

CNE diz que registo de "milhares de emigrantes" justifica cadernos eleitorais inflacionados

CNE diz que registo de "milhares de emigrantes" justifica cadernos eleitorais inflacionados

 

Lusa/AO online   Regional   5 de Out de 2012, 13:53

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) justificou hoje as discrepâncias entre os cadernos eleitorais e os censos da população nos Açores com o facto de

Reagindo às críticas feitas pelo presidente do Governo Regional, Carlos César, à “qualidade” dos cadernos eleitorais, a CNE sustentou hoje em comunicado que “não existem nos cadernos eleitorais erros ou omissões suscetíveis de ferir a legalidade, a verdade e a justiça da eleição de 14 de outubro de 2012”. Segundo a “Direção-Geral de Administração Interna, a quem compete o controlo centralizado do recenseamento eleitoral automático, o desfasamento na relação entre o número de eleitores e de residentes na Região Autónoma dos Açores decorre, no fundamental, do facto de milhares de emigrantes manterem, quase sempre por louváveis razões afetivas, a sua residência nos lugares em que nasceram, o que legalmente lhes é permitido”, refere o comunicado. Além disso, a CNE recordou que foi recentemente tomada uma “iniciativa legislativa específica” para resolver os problemas que possam existir nos cadernos eleitorais. No final de setembro, o presidente do Governo Regional, Carlos César, criticou a “falta de qualidade” dos cadernos eleitorais nos Açores, alegando que haverá nas eleições regionais de 14 de outubro uma abstenção que não corresponderá à realidade.“Não é credível que tenhamos um universo de residentes na região tão elevado como apontam os nossos cadernos eleitorais. Este processo tem alguns vícios na sua formação, portanto haverá uma abstenção real e uma abstenção exponenciada pela falta de qualidade desses cadernos", afirmou então Carlos César. Nas eleições regionais de 2008, estavam inscritos 192.853 eleitores, mas participaram no escrutínio que reelegeu Carlos César somente 90.030 votantes, o que corresponde a uma taxa de abstenção de 47%.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.