Geórgia

Cem mil manifestantes exigem demissão do Presidente

Cem mil manifestantes exigem demissão do Presidente

 

Lusa / AO online   Internacional   2 de Nov de 2007, 14:49

Cerca de cem mil manifestantes reuniram-se esta sexta-feira junto ao edifício do Parlamento da Geórgia para exigir o afastamento de Mikhail Saakachvili do cargo de Presidente e a realização de eleições parlamentares antecipadas.
"Geórgia sem Presidente!", gritaram os manifestantes. Os dirigentes da oposição consideram que Saakachvili usurpou o poder e, por isso, exigem a liquidação do cargo.
As eleições estão marcadas para o Outono de 2009, mas a oposição exige a sua antecipação para Abril do próximo ano. A oposição quer ainda a revisão da legislação eleitoral e a libertação dos presos políticos na Geórgia.
A manifestação de hoje, a mais importante desde a Revolução das Rosas que levou Saakachvili ao poder, realizada em Novembro de 2003, foi convocada por vários partidos da oposição georgiana, que prometem só dispersar quando o Presidente aceitar dialogar.
"Não dispersaremos enquanto o Presidente não aceitar as nossas reivindicações", declarou Guia Tortladzé, um dos dirigentes da oposição.
Os manifestantes enviaram ao Presidente Saakachvili um ultimato com as suas reivindicações, que devia terminar às 18:00 (14:00 em Lisboa), mas não receberam resposta. O dirigente georgiano encontra-se no Leste da Geórgia, onde participa na conferência internacional "Construção da Europa para Leste".
"O mal prospera entre nós porque as boas pessoas não agem, chegou a hora de agir, levantemo-nos juntos. Quando o povo se reuniu aqui, o Presidente passeia com hóspedes estrangeiros", declarou perante os manifestantes Konstantin Gamsakhurdia, filho do primeiro Presidente da Geórgia independente, Zviad Gamsakhurdia.
Junto com os dirigentes da oposição participa na manifestação Badri Patarkatsichvili, o homem mais rico da Geórgia e financiador das forças que contestam o poder de Saakachvili.
Nina Burdjanadzé, dirigente do Parlamento da Geórgia, aceitou encontrar-se ainda hoje com os dirigentes da oposição e as conversações deverão começar nas próximas horas.
Segundo a polícia, a manifestação está a decorrer sem incidentes, tendo sido registadas apenas algumas tentativas de jovens de furar a barreira de segurança em torno do edifício do Parlamento da Geórgia.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.