Dakar 2010

Carlos Sousa parte com ambição

Carlos Sousa parte com ambição

 

Lusa/Aonline   Motores   26 de Dez de 2009, 14:20

Carlos Sousa, o mais cotado dos pilotos portugueses que disputarão a edição de 2010 do Rali Dakar, partiu para a Argentina com o objectivo de se intrometer entre os concorrentes das "gigantes" Volkswagen e BMW

"As expectativas são as melhores e parto com objectivos muito ambiciosos", confessou Carlos Sousa, que representará uma equipa privada, ao volante de um Mitsubishi, mas contará com grande parte do "staff" que representava os japoneses quando a marca nipónica integrava a lista de equipas oficiais.

Apesar da ambição, que aponta para um lugar entre os 10 primeiros, "ou até um pouco melhor", Carlos Sousa viaja para a América do Sul, onde disputará o primeiro Dakar na zona alternativa, com o amargo paradoxal de pertencer ao grupo restrito de pilotos de elite.

Em virtude do bom palmarés no histórico do Dakar, que deve regressar em 2011 a solo africano, Carlos Sousa foi colocado pela organização na categoria de topo, sendo, por isso, obrigado a algumas restrições mecânicas, à imagem de todos os concorrentes das duas equipas oficiais.

"O facto de ter sido colocado entre os pilotos de elite acaba por ser um presente envenenado. A Volkswagen e a BMW também fizeram alguma pressão para eu não sair desta lista", lamentou Carlos Sousa.

A alternativa encontrada pela organização para equilibrar a prova e o reconhecimento do historial de Carlos Sousa (um quarto e três quintos lugares num total de 11 participações) acabou por prejudicar o português, que vai guiar um carro a gasolina com um limitador de potência no Mitsubishi.

Esta deverá ser a última vez que os organizadores da prova rainha do todo-o-terreno recorrerão a alternativa sul-americana (esta edição disputa-se em solo argentino e chileno, entre 01 e 17 de Janeiro), uma hipótese do agrado de Carlos Sousa, com um vínculo bem mais forte a África.

"Há alguns anos atrás, competi uma semana na zona de Córdoba, mas não conheço bem a região. Nunca deixei de fazer pressão para a prova regressar a África e uma das formas de o fazer foi não ter disputado a edição de 2009", admitiu o piloto português, que tem grandes esperanças que o Dakar volte às origens já em 2011.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.