Açoriano Oriental
Bolieiro questiona idoneidade do PS para julgar atuação do Governo dos Açores

O presidente do Governo dos Açores, José Manuel Bolieiro, acusou o PS de “não ter sentido de responsabilidade” e questionou a idoneidade dos socialistas para julgar a atuação do atual executivo regional.

Bolieiro questiona idoneidade do PS para julgar atuação do Governo dos Açores

Autor: Lusa/AO Online

Intervindo durante a discussão do Plano e Orçamento da região para 2024, o líder do Governo Regional (PSD/CDS-PP/PPM) realçou que a oposição tem centrado o debate “mais na análise política” e “quase nada das propostas” previstas nos documentos previsionais.

“Assim foi a postura maioritária do PS e de mais alguma oposição. […] Numa síntese parece que quem fez menos e pior agora exige mais e tudo aos que já fizeram mais e melhor. Assim atua quem revela não ter sentido de responsabilidade e não tem julgamento idóneo sobre os outros”, salientou, falando no plenário da Assembleia Legislativa, na Horta.

José Manuel Bolieiro lembrou que o PS considerou a Tarifa Açores (que permite viagem aéreas interilhas a 60 euros para residentes) “mal estudada” e que defendeu que a redução fiscal era uma “irresponsabilidade”.

“Que idoneidade tem esse julgador para julgar como um desastre financeiro a ação governativa desde governo”, questionou o social-democrata.

O presidente do Governo dos Açores evocou ainda as expressões “mentira”, “ameaça” e “chantagem”, proferidas por deputados socialistas, para lamentar a linguagem utilizada pelo maior partido da oposição no parlamento regional.

“Não é essa a nossa linguagem, não é essa a verdade. Como diz bem o povo: cada um dá de si a dimensão que tem. É este o exercício que o PS tem feito na prevalência da sua intervenção. Lamento muito como cidadão e responsável político, devemos dar um bom exemplo da urbanidade”, salientou.

O Plano e o Orçamento dos Açores para 2024, de cerca de dois mil milhões de euros, começou na segunda-feira a ser debatido no plenário da Assembleia Legislativa Regional, na Horta, onde a votação na generalidade deverá acontecer na quinta-feira.

O terceiro Orçamento da legislatura regional é o primeiro a ser votado após a Iniciativa Liberal (IL) e o deputado independente terem denunciado em março os acordos escritos que asseguravam a maioria parlamentar ao Governo dos Açores.

Antes do arranque da discussão, a IL e o PS anunciaram o voto contra na generalidade, enquanto Chega e PAN rejeitaram votar a favor, o que poderá levar à reprovação do Plano e do Orçamento. O presidente do Chega anunciou na terça-feira que o deputado do partido nos Açores vai abster-se na votação.

A Assembleia Legislativa dos Açores é composta por 57 deputados e, na atual legislatura, 25 são do PS, 21 do PSD, três do CDS-PP, dois do PPM, dois do BE, um da IL, um do PAN, um do Chega e um independente (eleito pelo Chega).


PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados