Bastonário dos advogados decide esta quarta-feira se desconvoca eleições

Bastonário dos advogados decide esta quarta-feira se desconvoca eleições

 

Lusa/AO Online   Nacional   2 de Out de 2013, 08:23

O bastonário dos advogados, Marinho e Pinto, disse que tomará esta quarta-feira a decisão de desconvocação do ato eleitoral de 29 de novembro, devido à ausência de candidatura para o Conselho de Deontologia da Madeira.

 

Marinho e Pinto afirmou à agência Lusa que dispõe "de cinco dias para tomar uma decisão" de convocar novo ato eleitoral para a eleição dos diversos órgãos da Ordem dos Advogados.

Depois de desconvocado o ato eleitoral, a nova data terá de ser marcada pelo bastonário no prazo de 90 a 120 dias, de acordo com os estatutos do organismo representativa da classe dos advogados.

Vasco Marques Correia, um dos seis candidatos a bastonário da Ordem dos Advogados (OA), considerou que "esta é, possivelmente, a primeira de muitas manobras desesperadas de uma nomenclatura que se pretende perpetuar no poder".

Por isso, o atual presidente do Conselho Distrital de Lisboa vincou que "é bem demonstrativo de que a OA precisa de mudar de vida rapidamente".

Guilherme Figueiredo, que se candidata também a bastonário, opinou que "este é um mau exemplo do que tem sistematicamente sucedido", em alusão ao facto de Marinho e Pinto não ter comunicado à candidaturas e "aos advogados".

O presidente do Conselho Distrital do Porto da OA notou ainda que a possível desconvocação de eleições "deveria ter sido previamente comunicada aos titulares dos órgãos da Ordem e aos candidatos aos cargos a eleger nas eleições do próximo dia 29 de Novembro, seguida de mensagem a todos os advogados e apenas posteriormente deveria ser feita a comunicação aos órgãos de informação!", referiu.

Contactada pela Lusa, Elina Fraga, igualmente candidata a suceder a Marinho e Pinto, afirmou que, na qualidade de vice-presidente da OA, não comenta o processo eleitoral.

"É uma matéria da exclusiva responsabilidade do bastonário", disse.

A Lusa tentou ainda obter reações de Jorge Neto, Raposo Subtil e Jerónimo Martins sobre o possível adiamento, mas não foi possível o contacto.

As eleições na OA foram marcadas para 29 de novembro e a apreciação da regularidade das listas decorre no prazo de cinco dias.

 

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.