Banco portugueses sobrevivem a testes de "stress"

Banco portugueses sobrevivem a testes de "stress"

 

Lusa / AO online   Economia   23 de Jul de 2010, 16:58

Os testes de resistência aos bancos portugueses foram realizados tendo por base dois cenários macroeconómicos, um cenário de referência e outro adverso, que assenta na maior e mais prolongada recessão da economia portuguesa.
De acordo com o Banco de Portugal, o cenário mais adverso assenta numa diminuição acumulada do PIB entre 2009 e 2011 na ordem dos 5,3 pontos percentuais, um desemprego de 12,8 por cento em 2011 e das taxas de juro de longo prazo das Obrigações do Tesouro a 10 anos acima dos 5 por cento, (5,2 em 2010 e 5,8 por cento em 2011).

“Este cenário implica a recessão mais profunda e prolongada de que há registo”, diz o Banco de Portugal, explicando que neste cenário é contemplada ainda a que o desemprego também aumente para máximos históricos perto dos 13 por cento da população activa, uma redução dos preços das acções de 20 por cento em 2010 e em 2011 (equivalente a uma redução acumulada de 36 por cento no horizonte), uma diminuição dos preços no mercado imobiliário (quer residencial, quer não residencial) de 5 por cento em cada ano.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.