Artistas urbanos dedicam mural em Lisboa à língua portuguesa


 

Lusa/AO online   Nacional   27 de Out de 2013, 13:07

Três artistas urbanos estão a pintar um mural na zona de Telheiras, em Lisboa, dedicado ao idioma português, com o objetivo de aliar a modernidade à conferência sobre a língua que se realiza esta semana.

A propósito da II Conferência Internacional sobre o Futuro da Língua Portuguesa no Sistema Mundial, que decorre na terça e quarta-feira, na Reitoria da Universidade de Lisboa, três criadores/writers – Nark, Youth One e Nomen - foram convidados a trabalhar sobre a importância da língua portuguesa e o seu futuro.

Tudo começou com um desafio da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e do instituto Camões à Galeria de Arte Urbana da Câmara Municipal de Lisboa, no sentido de integrar na programação da conferência sobre a língua uma componente de arte urbana que desse um toque de modernidade à segunda edição do evento.

O objetivo era criar uma "peça facilmente lida pelo público em geral", explica Inês Machado, técnica do Departamento de Património Cultural da autarquia lisboeta.

Entre latas e escadotes, Nark, Youth One e Noman dão os retoques finais no mural, que ocupa uma parede de relativa dimensão.

Uma folha de papel esvoaça das mãos de uma mulher africana projetada por Nomen e percorre a pintura de Youth One até chegar às mãos das crianças desenhadas por Nark.

Pelo meio, cabe a Youth One fazer a ligação entre todos os países da CPLP. O tom é verde, vermelho e amarelo, da bandeira de Portugal, e azul de Brasil e Cabo Verde, estão lá uma casa tradicional da cidade timorense de Lospalos, o Corcovado do Rio de Janeiro e o pôr-do-sol de África, tudo sobrevoado pelas folhas de papel, que “alguém escreveu, passou e leu”, resume o writer.

O mural pretende representar a comunidade lusófona, através da comunicação “escrita, verbal, unificada entre os vários países que falam português como língua-mãe”, passando uma ideia de “união e universalidade”, acrescenta Nomen.

“Não foi fácil, porque cada um tem o seu estilo, cada um tem as suas ideias, foi um bocado cedência de parte a parte para chegarmos a este mural”, reconhece Nark.

Os três criadores residentes em Portugal, dois dos quais de origem angolana, são "reconhecidos no universo da arte urbana e da comunidade artística de graffiti nacional e também internacional", observa Inês Machado.

O resultado está praticamente concluído e o mural de Telheiras, situado junto ao jardim Caldeira Cabral e perto da saída do metropolitano, deverá ser visitado na manhã de quinta-feira por alguns dos participantes na conferência sobre a língua, acompanhados por técnicos da Galeria de Arte Urbana.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.