Apicultura é sector em crescimento, mas ainda incapaz de responder à procura


 

Lusa / AO online   Economia   14 de Nov de 2009, 15:46

O presidente da Federação Nacional dos Apicultores de Portugal (FNAP), Manuel Gonçalves, disse hoje à Agência Lusa que a apicultura é um sector em crescimento, mas ainda incapaz de responder à procura nacional.

“Em Portugal, actualmente produz-se 12 mil toneladas de mel por ano, mas a produção nacional só responde a 80 por cento do consumo”, afirmou Manuel Gonçalves à margem do 10.º Fórum Nacional de Apicultura, que decorre em Ourém.

Segundo dados da FNAP, existem em Portugal 13 mil apicultores registados, com 370 mil colmeias.

“O efectivo médio de colmeias por exploração tem vindo a aumentar, embora o número de apicultores tenha registado uma diminuição ao longo dos últimos anos”, explicou o responsável, acrescentando que desde 2005 o número médio de colmeias por exploração cresce na ordem dos 12 por cento ao ano.

O dirigente admitiu que o sector está a sofrer uma transformação, resultado da sua profissionalização, que implica o abandono da actividade da apicultura como passatempo.

“Até há cerca de 15 anos, a apicultura era um ‘hobby’, uma actividade complementar à profissão, mas agora uma actividade económica”, anotou, exemplificando com números que, no seu entender, sustentam a profissionalização que está a suceder no sector.

“Neste momento 20 por cento dos sócios das nossas associadas são apicultores com mais de 250 colmeias”, observou Manuel Gonçalves, adiantando que existem cerca de 300 apicultores que possuem mais de duas mil colmeias.

De acordo com o responsável, o crescimento espelha “algum rendimento que este sector está a ter”, resultado do aumento das vendas originado pelo incremento do consumo.

“Tínhamos uma média de consumo per capita de 100 gramas há uma década. Neste momento, estamos nas 330 gramas de consumo de mel”, declarou, convicto de que o consumidor português reconhece a qualidade do mel.

“O nosso mel é muito procurado devido à sua qualidade”, afiançou, garantindo que este é um reconhecimento que se estende a outros países

“Todos os embaladores de mel da Europa compram o nosso mel para fazerem lotes de mel com alguma qualidade”, apontou.

Para que a produção nacional seja maior, o responsável preconiza a organização dos produtores, criando marcas próprias para colocar no mercado, como forma de “valorizar” o mel.

O Fórum Nacional de Apicultura é uma organização da FNAP e da Associação dos Apicultores da Região de Leiria, com o apoio da Câmara de Ourém, decorrendo paralelamente a 8.ª Feira Nacional do Mel, no Centro de Negócios de Ourém.

O fórum, que incluiu workshops, pretende ser um espaço de discussão dos problemas e das perspectivas para o sector.

Já a feira, que termina domingo e conta com 26 participantes, de Portugal, Espanha e França, é um espaço de divulgação dos produtos da apicultura, permitindo o conhecimento de novas tecnologias para a actividade.

Além de mel, geleia real e pólen, há ainda em exposição produtos derivados da exploração apícola, como cosmética, sabonetes, velas, vinagre ou aguardente.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.