Alimentação: Inspetor Geral confirma que ASAE deixou de recolher amostras

Alimentação: Inspetor Geral confirma que ASAE deixou de recolher amostras

 

Lusa / AO online   Economia   29 de Jul de 2012, 12:22

O Inspetor Geral da ASAE disse hoje que a Direção Geral de Veterinária deixou de pedir amostras para controlar os alimentos, mas que as ações de fiscalização aos produtos vendidos diretamente ao público se mantêm.

 

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) “tem vindo a desenvolver a sua atividade no corrente ano exatamente nos mesmos moldes que fez nos anos anteriores”, afirmou à Lusa o inspetor geral António Nunes, lembrando que a ASAE é responsável por fiscalizar os produtos manipulados que são diretamente vendidos ao público.

Os inspetores daquela polícia analisam os alimentos “como hambúrgueres, chouriço, carne picada, leite ou ovos que estão nos pontos de venda", para verificar se as normas de higiene e segurança alimentar estão a ser cumpridas.

Já os alimentos na sua origem, como por exemplo a carne num matadouro, parecem não estar a ser controlados: “O que falta fazer é controlar alguns produtos que são colocados no mercado antes de serem comercializados”, admitiu António Nunes.

Essa é uma responsabilidade da Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV), que costumava pedir apoio à ASAE para recolher as amostras dos alimentos para análise.

No entanto, a DGVA deixou de pedir esse trabalho e a ASAE deixou de fazer recolhas “desde o final do primeiro trimestre do ano”, disse o inspetor geral.

Ou seja, segundo explicou António Nunes, os alimentos que são vendidos ao público são controlados pela ASAE, mas desde abril que deixaram de ser controlados os alimentos na sua origem, antes de serem modificados.

A informação de que existe falta de controlo aos alimentos, da responsabilidade da DGAV foi avançada na edição de hoje do Jornal de Notícias.

Em Portugal os alimentos são controlados e fiscalizados através de dois grandes planos: o Plano Nacional de Resíduos, que é da responsabilidade da DGAV, organismo que está sob a tutela do Ministério da Agricultura e Ordenamento do Território (MAMAOT), e o Plano Nacional de Colheita de Amostra, da responsabilidade da ASAE, que responde perante o Ministério da Economia.

“O Plano Nacional de Controle de Resíduos analisa os alimentos na origem, e pesquisa, por exemplo, a presença de antibióticos ou anti-inflamatórios”, explicou António Nunes, admitindo que os seus funcionários não têm vindo a colaborar neste plano "por questões que competem à DGAV".

António Nunes sublinha que apesar da contenção exigida aos organismos públicos, o trabalho da ASAE não diminuiu: “As ações de fiscalização do cumprimento das normas alimentares dos produtores e dos postos de venda estão a ser desenvolvidas. Desde controlar os supermercados, os restaurantes, as feiras, os mercados, a aquicultura, os produtos da pesca, os ovos, o leite a ir às fábricas e verificar se todos os cumprimentos de segurança alimentar estão a ser executados nós temos vindo a fazer".

A Lusa contactou o gabinete de imprensa do MAMAOT que não respondeu até ao momento.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.