Liga de Futebol

Adu recompensa o esforço colectivo

Adu recompensa o esforço colectivo

 

Lusa/AO   Futebol   28 de Out de 2007, 20:20

O norte-americano Freddy Adu premiou a equipa do Benfica, que actuou uma hora em inferioridade numérica, com o golo da vitória por 2-1 sobre o Marítimo.

O norte-americano Freddy Adu premiou a equipa do Benfica, que actuou uma hora em inferioridade numérica, com o golo da vitória por 2-1 sobre o Marítimo, aos 87 minutos, garantindo o segundo lugar da Liga de futebol.
Numa oitava jornada em que o rival Sporting empatou a zero no reduto do Nacional, a equipa lisboeta bateu um concorrente directo, impondo-lhe a terceira partida sem vencer, manteve-se invencível na prova e está provisoriamente a cinco pontos do bicampeão e líder FC Porto, que recebe hoje o Leixões.
Camacho, o treinador espanhol do Benfica, com muitos atletas a recuperar de lesões, voltou a contar com o defesa central brasileiro Edcarlos para fazer dupla com o compatriota Luisão e pôde colocar o grego Katsouranis no meio campo, optando por uma troca argentina - Bergessio pelo jovem Di Maria -, no esquema de 4-3-3, com o paraguaio Cardozo e o uruguaio Rodriguez a completar o ataque.
O brasileiro Sebastião Lazaroni, sem os lesionados Bruno e Fábio Felício, "montou" o Marítimo em 4-4-2, com o médio brasileiro Wênio ao lado do compatriota Olberdam e outra dupla "canarinha" nas faixas laterais: Marcinho, à direita, e Mossoró, à esquerda, para servir o avançado Kanu e o internacional português Makukula.
Os forasteiros aproveitaram logo aos oito minutos o espaço cedido pelos anfitriões, com uma desmarcação de Rui Esteves a isolar Kanu, e o brasileiro, à saída do guarda-redes Quim, executou um "chapéu" que inaugurou o marcador, face à passividade de Léo e Edcarlos.
Rui Costa, a cumprir o 100º encontro no principal campeonato português, e Katsouranis pareceram acordar da letargia inicial e ligaram-se mais, tanto à linha defensiva, como no apoio ao solitário avançado paraguaio Cardozo.
Aos 18 minutos, o corpulento ponta-de-lança "encarnado" empatou a partida, na cobrança de uma grande penalidade, por mão na bola de Rui Esteves dentro da sua área, a cortar de forma tão ingénua quanto desnecessária um cruzamento do "maestro" Rui Costa.
No entanto, nova desatenção de Edcarlos, permitiu a Kanu aproveitar um ressalto de um remate de Makukula e Quim foi obrigado a derrubar o brasileiro na grande área, depois de ter sido ultrapassado pelo avançado insular.
O Benfica ficou reduzido a 10 elementos, devido à expulsão do seu guardião e Edcarlos cedeu o lugar ao guarda-redes alemão Butt, que aproveitou da melhor forma a estreia na Liga ao defender a grande penalidade apontada por Makukula.
Na segunda parte, Camacho trocou o pouco eficiente Di Maria por Luís Filipe e adiantou Pereira da lateral direita para o meio campo, com a dupla a protagonizar a primeira situação de perigo aos 57 minutos, mas o remate do uruguaio saiu por cima, no início de uma proveitosa exploração do flanco esquerdo do Marítimo, preenchido pelo pouco defensivo Mossoró.
O Benfica foi muito mais unido e concentrado com menos um elemento e Cardozo falhou por pouco outras duas oportunidades, antes de Butt salvar de novo os "encarnados", com uma defesa apertada a remate de Kanu, que surgiu na sua "cara", aos 69 minutos.
Mesmo em inferioridade, a pressão "encarnada" foi crescendo e a equipa insular recuando. Num lance de insistência, a bola sobrou para Rodriguez, mas novamente o remate de primeira, já na grande área, saiu por cima.
Até que, aos 87 minutos, o recém-entrado Adu recompensou o esforço colectivo e a iniciativa de Léo, que foi ao flanco direito servir o jovem com uma predilecção por golos em cima da hora, pois também marcou ao Estrela da Amadora e ao Vitória de Setúbal perto do fim dos encontros.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.