Açoriano Oriental
"Açores há sete anos com taxa de desemprego acima da média nacional"

"O desemprego continua a ser um problema grave nos Açores e para o qual o Governo Regional não encontra respostas atempadas e adequadas", disse esta quarta-feira o presidente dos TSD/Açores.

article.title

Foto: PSD/A
Autor: Susete Rodrigues/AO Online

Reagindo aos dados, conhecidos hoje, da taxa de desemprego na região referente ao quarto trimestre de 2019, Joaquim Machado, citado em comunicado, refere que estes números "atesta a incapacidade do governo socialista para resolver este problema que atinge muitos milhares de famílias açorianas”, constatando que pelo sétimo ano consecutivo a taxa de desemprego nos Açores se situa acima da média nacional. E há "três trimestres que é a mais alta do país.Ou seja, a visão cor-de-rosa do Governo Regional não tem correspondência com a realidade vivida por mais de nove mil desempregado”.

O líder dos TSD/Açores afirma, também, que a crise ainda não passou nos Açores, pois a "taxa de desemprego mantém-se superior à verificada em 2010, o ano imediatamente anterior à crise deixada pela governação ruinosa de José Sócrates – então com 6,9% e hoje nos 7,6%. E no mesmo sentido aponta o número de desempregados: 8.139 em 2010; 9.734 no ano findo".

Aliás, acrescenta Joaquim Machado, "os dados do último trimestre de 2019 são deveras preocupantes, quando comparados com os do trimestre anterior: a população ativa baixou significativamente, assim como o número de pessoas empregadas e subiu a taxa de desemprego (mais 0,3 pontos percentuais)".

A tudo isso acresce ainda milhares de desempregados integrados em 23 programas ocupacionais, “prova evidente de que as políticas económicas do Governo Regional são impotentes para debelar um desemprego estruturalmente elevado como o que ainda temos nos Açores”, conclui o presidente dos TSD/Açores

Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.