Açores definem como meta para 2020 PIB per capita nos 80% da média europeia


 

Lusa/AO online   Regional   17 de Dez de 2013, 16:44

Os Açores têm como meta para 2020 atingir 80 a 85% da média europeia do Produto Interno Bruto (PIB) per capita, assumiu o diretor regional do Planeamento e Fundos Estruturais, Rui Amann.

"Esta conjuntura nacional adversa que se atravessa no caminho do desenvolvimento regional afeta e perturba forçosamente o progresso que se vem alcançando. Porém, todo o desenho e a estratégia da política regional que vai dar corpo à nova geração do apoio dos fundos comunitários encerra os elementos necessários à retoma e recomposição dos ritmos de crescimento, dentro de um futuro próximo", adiantou, numa conferência de imprensa, em Angra do Heroísmo.

Segundo Rui Amann, apesar da crise, os Açores conseguiram ter uma "boa aplicação dos fundos comunitários", que ultrapassou as metas traçadas para o período 2007/2013, e que permitiu negociar os montantes destinados à região no próximo quadro comunitário.

"Sem resultados apresentados nos períodos anteriores, o reforço não se obtém", frisou.

O diretor regional lembrou que os Açores ocupavam uma posição de segunda região mais pobre da Europa em 1997, salientando que atualmente têm um nível de produção de riqueza superior a mais de 60 outras regiões europeias.

"Com os últimos dados disponíveis, no quadro das regiões europeias, o desempenho económico registado pelo serviço oficial de estatística da Europa colocava o nível de desenvolvimento dos Açores bem à frente de mais de 60 regiões da Europa comunitária, não estando pois, ao contrário do que foi afirmado, como das mais pobres, nem muito menos na cauda da Europa", frisou.

A nível nacional, Rui Amann salientou que a região deixou de se colocar como menos desenvolvida, para assumir uma "posição intermédia", realçando que o PIB por habitante dos Açores, em paridades de poder de compra, é superior ao das regiões de convergência Alentejo, Centro e Norte.

Na segunda-feira, numa conferência na Horta, Rui Amann revelou que o PIB per capita dos Açores é atualmente 73% da média europeia, sendo que atingindo os 75% a região alcançaria um novo patamar de desenvolvimento.

"Ainda se pensou que pudéssemos vir a integrar aquelas regiões que passaram esse limiar, mas com a crise que aconteceu neste país, temos vindo a cair um pouco nesse 'ranking'", afirmou.

Assim, no próximo quadro comunitário de apoio, que arranca em 2014, os Açores vão continuar a pertencer ao grupo das denominadas "regiões proconvergência", que "agora vão passar a designar-se por regiões menos desenvolvidas ou com atraso de desenvolvimento", acrescentou, na mesma ocasião.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.