1,6 milhões de vacinas contra gripe no mercado


 

Lusa/AOonline   Nacional   26 de Set de 2007, 20:48

Mais de 1,6 milhões de vacinas contra a gripe começam a ser vendidas segunda-feira nas farmácias portuguesas, o que assegura a cobertura a 15 por cento da população, anunciou hoje à Lusa fonte oficial.


    A Direcção-Geral de Saúde (DGS) pretende que a vacina contra a gripe atinja, este ano, uma cobertura de 60 por cento da população acima dos 65 anos.

    "A idade já é um factor de risco e também é nesta faixa etária que as pessoas têm geralmente mais patologias", explicou à agência Lusa a sub-directora-geral de Saúde Graça Freitas.

    Na época gripal passada notou-se "um aumento significativo" da taxa de vacinação no grupo com mais de 65 anos, atingindo mais de 50 por cento desta população, segundo um documento do Observatório Nacional de Saúde do Instituto Ricardo Jorge.

    As autoridades querem agora dar "especial prioridade" aos idosos que estão em lares, onde pretendem atingir uma cobertura "o mais próxima possível dos 100 por cento".

    Para isso, lançaram uma campanha junto dos médicos e delegados de saúde de cada concelho, alertando que os idosos em instituições devem ser todos vacinados.

    Apesar de a vacina poder ser administrada a partir dos seis meses, Graça Freitas apenas recomenda a vacinação a crianças com doenças crónicas, como asma ou problemas cardíacos.

    A sub-directora-geral de Saúde questionou por outro lado a opção das empresas que fornecem gratuitamente aos funcionários a administração da vacina, para evitar o absentismo laboral por causa da gripe.

    "Não recomendamos a vacina a grupos de pessoas saudáveis com menos de 65 anos. Do ponto de vista de saúde pública não é recomendável fazê-lo e, aliás, não está avaliado o impacto que a administração da vacina tem no absentismo laboral. É uma questão de sensibilidade e de consciência cívica de cada um", comentou.

    A responsável avisou ainda que as pessoas não devem todas acorrer às farmácias no dia 01 de Outubro, já que em qualquer altura do mês, ou mesmo durante todo o Outono, podem vacinar-se.

    "Vão calmamente ao médico e aos serviços. A receita para a vacina tem até uma validade alargada", aconselhou.

    Para evitar constrangimentos no funcionamento dos serviços, o secretário de Estado da Saúde emitiu um despacho que alarga o prazo de validade das receitas médicas de forma a permitir a prescrição antecipada da vacina.

    "As receitas médicas nas quais sejam prescritas exclusivamente vacinas contra a gripe para a época gripal 2007/2008, prescritas a partir de 01 de Setembro, são válidas até 31 de Dezembro do corrente ano", diz o despacho

    Este ano, as várias entidades envolvidas criaram um grupo de trabalho para acompanhar a evolução da vacinação contra a gripe na época 2007-2008.

    DGS, Administrações Regionais de Saúde, Associação de Farmácias de Portugal, Associação Nacional de Farmácias, Associação de Grossistas de Produtos Farmacêuticos, Ordem dos Farmacêuticos, APIFARMA, Infarmed e Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge são as entidades envolvidas no grupo de trabalho.

    Um dos compromissos assumidos por parte da indústria e dos farmacêuticos foi colocar a vacina à venda em todos os locai só a partir do dia 01 de Outubro.

    Entre 10 e 15 por cento da população portuguesa é, em média, afectada anualmente pela gripe sazonal.

    A vacina deverá ser administrada em Outubro e Novembro, podendo ser aplicada durante todo o período do Outono e Inverno.

    Até agora, o Infarmed (a autoridade nacional do medicamento) autorizou a comercialização de sete tipos de vacina contra a gripe sazonal.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.