Açoriano Oriental
Vasco Cordeiro diz que seria "incompreensível" se POSEI fosse menor no quadro 2021-2027

O presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, definiu como "incompreensível" uma eventual redução do programa de apoio comunitário à agricultura da região, lembrando o compromisso do anterior comissário europeu da pasta sobre a matéria.

Vasco Cordeiro diz que seria "incompreensível" se POSEI fosse menor no quadro 2021-2027

Autor: Lusa/AO Online

"Consideraria uma surpresa total e absoluta e algo de absolutamente inexplicável", declarou o governante, instado a comentar, em Ponta Delgada, um eventual corte no programa comunitário POSEI (Programa de Opções Específicas para o Afastamento e a Insularidade nas Regiões Ultraperiféricas) no quadro comunitário de apoio 2021-2027.

Na semana passada, o executivo açoriano, socialista, anunciou que a região vai receber quase o dobro dos fundos comunitários, face ao atual quadro, com um aumento de 92%, que corresponde a mais 1.145 milhões de euros, mas o envelope financeiro referente à agricultura e pescas ainda não está fechado.

"Neste espaço, exatamente neste espaço, o anterior comissario da agricultura, Phil Hogan, disse que esse assunto estava resolvido", disse  Vasco Cordeiro, falando no palácio de Santana, em Ponta Delgada e referindo-se a uma visita de Hogan à região há cerca de dois anos.

A ministra com a tutela da Agricultura no Governo da República está, "naturalmente, a par do que está em causa", disse ainda Vasco Cordeiro.

E acrescentou: "Consideraria totalmente incompreensível (...) que esse compromisso do comissário europeu fosse violado".

O governante diz ainda acreditar numa "boa negociação" sobre "o que se decide em Bruxelas e em relação àquilo que posteriormente se decidirá em Lisboa".

O Presidente do Governo, Vasco Cordeiro, recebeu, em audiência, a Direção da Federação Agrícola dos Açores.

Jorge Rita foi reconduzido em junho deste ano para um novo mandato, até 2022, como presidente da Federação Agrícola dos Açores.

O responsável pela agricultura açoriana lembrou que este setor "nunca parou" na pandemia de covid-19, mas os rendimentos dos profissionais são menores, devido a "menores consumos" e a pessoas que "passaram a consumir produtos de uma gama para uma gama abaixo" de qualidade, por exemplo.

O chefe do executivo açoriano acompanhou Jorge Rita nos elogios aos agricultores: "A agricultura foi um dos setores que nunca parou. E o facto de nunca ter parado foi essencial para que, do ponto de vista do abastecimento, fosse possível manter na região essa situação de regularidade, mesmo em circunstâncias extraordinárias”, disse.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.