Trump desencadeia tempestade noTwitter com ataque à acusadora de Kavanaugh

Trump desencadeia tempestade noTwitter com ataque à acusadora de Kavanaugh

 

Lusa/Ao online   Internacional   22 de Set de 2018, 03:31

 O Presidente dos Estados Unidos da América desencadeou na sexta-feira uma míni tempestade na rede social Twitter ao atacar a mulher que acusou o seu candidato ao Supremo Tribunal, Brett Kavanaugh, de ter esperado anos para apresentar queixa.

As reações que suscitou fizeram que a palavra-chave ‘#WhyIDidntReport’ (‘Por que não apresentei queixa’) fosse a principal do dia nesta rede social nos EUA.

Ao início da tarde, esta ‘hashtag’, com reminiscências com a ‘#MeToo’ (‘Eu também), relativa à denúncia de abusos sexuais, ocupava a primeira posição das ‘tendências’ do dia nos EUA, correspondendo a um afluxo massivo de mensagens nesta rede social com esta palavra-chave.

Ao fim da manhã, já se acumulavam dezenas de milhares de mensagens, alimentadas por vagas de testemunhos de mulheres que, à semelhança de Christine Blasey Ford, revelavam terem ficado silenciosas sobre o assédio ou as agressões sexuais que sofreram.

Testemunho das parecenças com o #MeToo, encontravam-se neste novo ‘hashtag’ várias assinaturas emblemáticas do movimento anti assédio que percorre os EUA desde há cerca de um ano, como as atrizes Ashley Judd ou Alyssa Milano.

Foi esta última que lançou o ‘hashtag’ a meio da manhã, em resposta à mensagem, que Donald Trump tinha colocado na rede social Twitter, incendiando os ânimos ao afirmar: “Se os ataques [de Kavanaugh] foram tão graves como diz a dra. Ford, teria havido uma queixa dela ou dos seus queridos pais”.

Em resposta, Alyssa Milano afirmou: “Fui agredida sexualmente por duas vezes, uma delas quando era adolescente. Nunca apresentei queixa à polícia e precisei de 30 anos para falar aos meus pais. Se outras vítimas de agressões sexuais quiserem acrescentar a este testemunho, façam-no em resposta”, propondo o novo ‘hashtag’.

Ashley Judd juntou-se pouco depois, para contar como as suas revelações dos casos de abusos e violação que viveu na adolescência tinham sido criticadas pelos seus próximos.

Christine Blasey Ford acusou o juiz Brett Kavanaugh de a ter agredido durante uma noite entre adolescentes, no início dos anos 1980.

Estas acusações, reveladas na semana passada, ameaçam fazer descarrilar o processo de nomeação do juiz conservador, que Trump e os republicanos querem terminado antes das eleições de novembro, onde os republicanos procuram manter a sua maioria no Congresso.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.