Madeira

Tradição de expor presépios na estrada persiste na Calheta


 

Lusa/AO online   Nacional   25 de Dez de 2010, 12:05

A população do concelho da Calheta, a oeste da ilha das Madeira, conserva ainda a tradição de expor presépios ao longo das estradas que iluminados à noite reforçam a ambiência natalícia.
Os presépios, expostos junto da estrada, são essencialmente constituídos por casas de colmo de várias dimensões onde, no seu interior, o imaginário do nascimento do menino Jesus coabita com a criatividade de cada um.

As igrejas, os coretos, as bandas, os pais natais, a lavoura, as pescas, os moinhos, os animais, os costumes entre outros aspectos da vida e da rotina quotidiana, são neles representados.

José Vieira, de 71 anos de idade e residente na Ponta do Pargo, há sete anos que idealiza e monta o seu presépio defronte da sua casa, tarefa que (re)começa logo que as festividades acabam: “tenho um prazer fazer isto”, diz, olhando a sua “obra-prima”.

“Lembra o Natal”, acrescenta, reconhecendo ser “um bocadinho difícil para armar estas coisas e pôr no sítio certo” nomeadamente as centenas de peças, umas animadas por via da energia eléctrica conduzida por pequenos motores reaproveitados de microondas e de outros electrodomésticos em engenhocas inventadas pelo seu criador.

“Leva muito tempo, começo em Janeiro e vou fazendo pouco a pouco", admite.

Para José Vieira, é o presépio que "faz lembrar o Natal. Os novos, hoje em dia, não fazem isto, os idosos é que recordam o Natal”.

“Claro que isto é uma tradição mas quando for para o outro mundo já ninguém vai fazer mais isto”, vaticina.

“Isto é particular, faço por minha conta”, explica, acrescentando: “isto é a minha obra-prima”.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.