Taça da Liga e críticas à arbitragem no primeiro ano de mandato


 

Lusa / AO online   Futebol   8 de Out de 2007, 15:43

A criação da Taça da Liga e um inédito contrato com um patrocinador para a Liga de Honra marcaram o primeiro ano de mandato da Direcção da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), "ensombrado" por constantes críticas à arbitragem.
    Sob a liderança de Hermínio Loureiro - que quarta-feira fará na sede do organismo, às 18:00, um balanço do primeiro ano de mandato e o lançamento do próximo -, a LPFP apostou forte na criação da Taça da Liga, mas, apesar de alguns jogos "interessantes" e transmitidos em "canal aberto", a afluência de público aos estádios continuou reduzida, à semelhança do que acontece nas duas outras competições profissionais.

    Ainda assim, a nova LPFP mantém-se firme na prossecução do enunciado aquando da tomada de posse (02 de Outubro, depois de um impasse de quase dois meses, após providência cautelar interposta pelo Nacional da Madeira e entretanto já retirada) e prepara-se para novas reformas no segundo ano.

    Durante este primeiro período, Hermínio Loureiro e seus pares resolveram de forma mais célere os problemas disciplinares, inclusivamente o imbróglio do "caso Mateus", ofereceram aos árbitros a possibilidade de recorreram a novas tecnologias (como os auriculares) e ainda reduziram as despesas do organismo.

    Porém, e Hermínio Loureiro está ciente da importância da arbitragem no futebol português, a LPFP não tem conseguido afastar o velho estigma do clubismo nem as críticas ao sector dirigido pelo ex-árbitro Vítor Pereira.

    O erro flagrante do árbitro Duarte Gomes no encontro da Taça da Liga entre Estrela da Amadora e Benfica e ainda a confusão criada no derby entre Sporting e "águias", com Pedro Henriques a não seguir a indicação do seu assistente, têm aumentado as críticas a Vítor Pereira, já defendido publicamente por Hermínio Loureiro.

    Confesso adepto do Sporting e "amante" de basquetebol, o quarto presidente da LPFP tem-se defendido publicamente do assédio da comunicação social e apenas em ocasiões oficiais ou declarações fortuitas vai desempenhando o seu "papel", de forma totalmente diferente à executada por Valentim Loureiro, ex-presidente, e agora na liderança da Assembleia Geral.

    Hermínio Loureiro prometeu ainda, aquando da tomada de posse, a criação de um torneio de Abertura, porventura a realizar no Algarve, e "exigiu" também papel activo na discussão da nova Lei de Bases da Actividade Física e do Desporto.

    O presidente da LPFP tem igualmente mantido grande proximidade com a Federação Portuguesa de Futebol (FPF), aguardando-se contudo celeridade na resolução desportiva do processo "Apito Dourado", outro dos objectivos de Hermínio Loureiro para este mandato.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.