Gripe A H1N1

Surto em Valença é a primeira onda epidémica em Portugal

Surto em Valença é a primeira onda epidémica em Portugal

 

Lusa/AO Online   Nacional   2 de Nov de 2009, 12:49

 O director da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) afirmou hoje que o surto de gripe que assolou todas as escolas de Valença, à excepção de uma, é a “primeira onda epidémica” a nível local em Portugal.

“Até agora, os casos [de gripe A] tinham sido difusamente distribuídos pelo país, com excepção para alguns focos ocorridos em escolas”, adiantou à agência Lusa Constantino Sakellarides.

Na sexta-feira, dos 1600 alunos que frequentam as várias escolas do concelho de Valença, Viana do Castelo, 300 faltaram às aulas por terem contraído gripe A (H1N1).

Segundo o coordenador da Unidade de Saúde Pública do Alto Minho, Carlos Pinheiro, a gripe A "atacou" em todas as escolas do concelho, à excepção de uma, sendo que o número mais elevado de casos se regista na EB 2,3/S de Valença. Numa EB1 do concelho, a taxa de alunos infectados atinge os 43 por cento.

Constantino Sakellarides explicou que o facto do surto de gripe ter ocorrido em “praticamente todas as escolas do concelho indica que se trata, provavelmente, da primeira onda epidémica do país a nível local”, adiantando que a situação deverá ser estudada.

Sobre os motivos que poderão ter originado o aparecimento de tantos casos no mesmo local, o director da ENSP afirmou que “nunca se sabem”.

“Qualquer factor interactivo, como baixa de temperatura ou maior humidade, pode potenciar um fenómeno desses, mas nunca sabemos porque é que as ondas epidémicas aparecem num sítio e não aparecem noutros”, sustentou.

Carlos Pinheiro admitiu que este surto de gripe em Valença se poderá ter ficado a dever à proximidade com a Galiza, região espanhola onde também já se registaram vários doentes infectados pelo vírus H1N1.

"É uma hipótese, mas não o podemos afirmar categoricamente", referiu, ressalvando que este surto de gripe "não é caso para alarme" e que "já era expectável", tanto em Valença como em qualquer outra zona do País.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.