Presidência Portuguesa da União Europeia

Sócrates exige metas obrigatórias ambientais pós 2012


 

Lusa / AO online   Internacional   24 de Set de 2007, 12:37

O presidente em exercício da União Europeia (UE), José Sócrates, vai hoje vincar que um futuro acordo (pós 2012) na luta contra o aquecimento global tem que ser baseado em objectivos quantificados e de cumprimento obrigatório.
Na qualidade de presidente em exercício da UE, o primeiro-ministro discursa ao fim da manhã (horas locais) na abertura de uma conferência das Nações Unidas sobre alterações climáticas.

Na terça-feira, o primeiro-ministro português discursa na sessão de abertura da 62ª Assembleia-geral das Nações Unidas sobre estabilidade mundial e multilateralismo.

Em relação ao seu discurso sobre alterações climáticas, hoje, na conferência de alto nível promovida pela ONU, José Sócrates disse aos jornalistas que manifestará a vontade da "Europa em permanecer na vanguarda do combate ao aquecimento global".

"A UE quer começar a desenhar já um quadro para um acordo global pós-Quioto em 2012. Se houver uma contribuição de outros países, a UE está disponível para reduzir as emissões de dióxido carbono em 30 por cento até 2020", frisou Sócrates.

De acordo com o chefe do Governo português, "a UE considera que o ponto fundamental de um acordo pós-Quioto tem que ser baseado em objectivos quantificados obrigatórios e não apenas metas sem qualquer grau de cumprimento definido".

Neste ponto, o chefe do Governo português deixou uma crítica implícita à experiência que resultou do protocolo de Quioto, em que os objectivos ambientais tinham sobretudo um carácter voluntário em termos de cumprimento.

"A credibilidade da luta contra o aquecimento mundial depende de um entendimento mundial, mas esse entendimento tem que ser feito em torno de objectivos claros e obrigatórios do ponto de vista jurídico", insistiu o primeiro-ministro.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.