Sócios do Lusitânia criam comissão executiva para negociar dívida


 

Lusa/AO   Futebol   16 de Nov de 2007, 06:54

Os sócios do Lusitânia de Angra do Heroísmo aprovaram quinta-feira à noite, em Assembleia-geral, a criação de uma Comissão Executiva, em substituição da direcção demissionária, para renegociar uma dívida superior a quatro milhões de euros.
A Comissão Executiva, que integra quatro associados e é apoiada por uma outra comissão, esta consultiva, ficou mandatada para gerir os destinos do clube nos próximos noventa dias para “renegociar as dívidas e eventuais rescisões de contratos de atletas”.

    “Esta é uma forma de tentar evitar que os credores utilizem a via judicial para receber as dívidas e evitar também consequentes penhoras”, sublinharam os membros da comissão executiva.

    De acordo com a proposta aprovada pelos sócios, a comissão executiva ficou ainda com poderes para “hipotecar a sede social do clube, até um montante máximo de dois milhões de euros, em caso de necessidade extrema”.

    “Não há liquidez no clube e é necessário que entre dinheiro rapidamente nos cofres para garantir que as equipas profissionais de futebol e basquetebol continuem a competir”, disse um dos membros da referida comissão.

    Segundo este responsável “caso as equipas faltem aos seus compromissos ficam em causa também os apoios oficiais que recebem”.

    Os associados do clube ficaram também a saber que a anterior direcção “conseguiu vender por duas vezes, a diferentes compradores, um terreno que não estava em seu nome e que foi cedido pelo governo para o clube efectuar construções”.

    “Caso o clube não construa naqueles terrenos eles deverão ser devolvidos ao executivo da região”, estranhando, por isso, a assembleia-geral “como foi possível efectuar a sua venda”.

    Por outro lado, as verbas oficiais para apoiar o Basquetebol “estão a servir de caução ao pagamento de um empréstimo bancário superior a um milhão de euros”.

    O orçamento para a presente época, 2007/2008, já prevê um défice de mais 300.000 euros uma vez que as receitas só atingem os 800.000 euros e as despesas previstas são de 1,1 milhão de euros.

    A Assembleia-geral, em que já não esteve presente o presidente demissionário, votou contra, com uma abstenção, a aprovação das contas da direcção relativas aos anos entre 2003 e 2006.

    Dentro de noventa dias, a comissão executiva quer ter pronto um relatório sobre a verdadeira situação do clube, que indique as diferentes soluções para o problema, e espera que numa Assembleia-geral extraordinária, sejam convocadas eleições para os órgãos sociais do clube.

    Durante a anterior assembleia-geral do Lusitânia, que decorreu em Setembro passado, o então presidente da direcção, Paulo Borges, “admitiu a existência de dívidas no valor de 1,9 milhões de euros”.

    Porém os sócios, que colocaram em dúvida aqueles valores, criaram uma comissão para analisar as contas do clube, apresentadas quinta-feira à noite no valor de quatro milhões de euros.

    A comissão entende que “a situação é muito complicada” mas que poderá “ter uma solução com os esforços de alguns amigos do Lusitânia”.

    O Sport Clube Lusitânia, 14ª filial do Sporting Clube de Portugal, foi fundado em 24 de Junho de 1922 e tem a representá-lo cerca de 500 atletas em diversas modalidades.

    Este foi primeiro clube açoriano a ascender, na época de 1978/1979, aos campeonatos nacionais de futebol, disputando actualmente o campeonato nacional da II Divisão B.

    No basquetebol foi também o primeiro clube açoriano a conquistar uma competição nacional, a Taça da Liga Profissional, na época 2006/2007.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.