"No Name Boys"

Sindicato dos Jornalistas condena agressões a repórter


 

Lusa/AOonline   Nacional   17 de Nov de 2008, 17:31

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) condenou hoje as agressões de que foi alvo um repórter de imagem da RTP quando trabalhava numa emissão em directo relacionada com a detenção de alegados elementos de uma claque de futebol.
"Agressões a jornalistas são intoleráveis. O Sindicato condena veementemente a intolerável agressão verificada, a qual não pode ter a menor aceitação num estado de direito democrático e muito menos para impedir jornalistas de realizarem a sua missão profissional", lê-se num comunicado divulgado esta segunda-feira.

    Na nota, o SJ manifesta solidariedade para com o jornalista agredido e "exorta as autoridades a apurar todas as responsabilidades e a criar condições de ordem pública a fim de preservar a integridade dos profissionais em serviço nos locais públicos".

    Uma dezena de alegados adeptos do Benfica e conhecidos dos elementos da claque "No Name Boys" - a serem ouvidos hoje no Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Lisboa - agrediram jornalistas e feriram um polícia à porta da instituição, o que levou à intervenção da Polícia de Segurança Pública (PSP).

    No meio da confusão, quando os adeptos tentavam destruir material de um câmara, um dos polícias que interveio ficou ligeiramente ferido na cabeça, conforme a Agência Lusa verificou no local.

    Os elementos gritavam palavras de ordem como "Aguentem-se", "Benfica Sempre" e "Tenham Força" e utilizavam uma linguagem muito violenta.

    Devido aos incidentes houve um reforço policial, mas os agentes não detiveram qualquer dos agressores, limitando-se a afastá-los do local, perante a indignação dos presentes, como verificou a Lusa.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.