Simpósio em Braga pretende mostrar “estreita ligação” entre arte e economia circular


 

Lusa/Ao online   Cultura e Social   30 de Set de 2018, 13:31

A cidade de Braga vai receber entre o1 e 13 de outubro o simpósio "ARTE&SUSTENTABILIDADE", que tem como objetivo mostrar a "estreita ligação" entre a arte contemporânea, a sustentabilidade e a economia circular, anunciou este domingo a organização.

Em comunicado enviado à Lusa, a zet gallery, projeto de arte contemporânea do dstgroup, que desenvolve o evento em parceria com a Câmara Municipal de Braga e o Instituto de Ciências e Inovação para a Bio-Sustentabilidade da Universidade do Minho (IB-S), explica que o evento terá o desenvolvimento de arte ao vivo, projetos de tutorias pedagógicas em escolas e no Estabelecimento Prisional de Braga e debates, entre outras atividades.

Ana Almeida Pinto, Hernâni Reis Baptista, Miguel Neves Oliveira e Rute Rosas são os quatro artistas portugueses que, entre os dias 01 e 13 de outubro, estarão a criar ao vivo, na Avenida Central, obras de arte a partir de resíduos industriais recolhidos no dstgroup, ligado à construção civil.

Durante duas semanas, "o público poderá acompanhar o trabalho daqueles artistas e assistir diariamente ao processo de criação e de evolução de quatro obras de artes", sendo que "duas das peças resultantes deste simpósio serão cedidas à cidade de Braga e implementadas em espaço público e as outras duas integrarão a coleção de obras de arte do dstgroup, presente no complexo da sede do grupo empresarial, no Parque Industrial de Pitancinhos (Braga).

Luís Canário Rocha estará, a partir de segunda-feira, no agrupamento de Escolas Sá de Miranda e na Escola Secundária Alberto Sampaio a desenvolver um projeto que alia pintura à escultura: "Os alunos são convidados a participar neste processo de construção de uma obra de arte, a partir de madeiras e de cartão resultantes de desperdícios do dia-a-dia", explica o texto.

O objetivo, refere, "é construir duas esculturas, correspondentes às duas instituições de ensino, a partir de madeira em forma de espiral, anexadas numa estrutura em malha sol", sendo que o "objetivo final passa pela obtenção das referidas esculturas e composições resultantes dos cartões pintados, que pretendem contaminar o espaço, podendo este ser uma parede exterior."

Ricardo de Campos vai orientar, até dia 12 de outubro, na Escola André Soares e no Estabelecimento Prisional de Braga um projeto que visa a integração da comunidade escolar e prisional, no mundo das artes plásticas: "Termos como reciclagem, apropriação, reutilização, acumulação farão parte do léxico a introduzir nas ações a desenvolver junto dos participantes", refere o artista no texto.

A par da componente prática, explana a organização, "será feito um enquadramento teórico que facilite a aquisição de conhecimento, tendo como base movimentos artísticos como informalismo, expressionismo, arte bruta ou arte povera".

O simpósio incluí ainda o debate "O Papel da Arte na Economia Circular" que pretende discutir "qual o Papel da Arte Contemporânea na Economia Circular", contando com a presença de especialistas de diferentes entidades e moderação de Helena Mendes Pereira, ‘chief curator' da zet gallery, numa conversa aberta ao público, em plena Avenida Central, no centro histórico de Braga, e que "abordará a importância da construção de práticas individuais e coletivas que contribuam para uma visão sustentável do futuro".



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.