Santana admite que seguiria exemplo de Cristas se Aliança tivesse 40 anos


 

Lusa/AO online   Nacional   6 de Out de 2019, 21:46

O presidente da Aliança, Pedro Santana Lopes, admitiu este domingo que seguiria o exemplo de Assunção Cristas se o partido tivesse 40 anos e mostrou-se disposto a continuar ou a sair.


Pedro Santana Lopes, que reagia desta forma aos resultados conhecidos das eleições de hoje, felicitou o PS e António Costa pela vitória nas legislativas e ainda os novos partidos que “conseguiram ou vão conseguir representação parlamentar”.

Assumindo-se como o responsável pelo resultado da Aliança – que não deverá eleger deputados, a confirmarem-se as projeções – Pedro Santana Lopes referiu-se ao anúncio de Assunção Cristas, de que não se candidatará à presidência do CDS, como tendo “um sabor a muita injustiça”.

“Lidero um partido que não tem 40 anos”, disse, afirmando que se a Aliança tivesse 40 anos e já estivesse estabilizado, provavelmente seguiria os passos de Assunção Cristas.

No sábado, revelou, vai dizer no Senado do partido que está ao dispor e com isso quer dizer está disposto a sair ou para continuar.

“A Aliança continua. A Aliança não é um projeto de uma só pessoa, é um projeto coletivo”, referiu, declarando-se especialmente motivado para as próximas eleições autárquicas, agendadas para 2021.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.