Roménia desfaz sonho de Portugal no Mundial de Râguebi


 

Lusa/AO   Outras modalidades   25 de Set de 2007, 21:42

A selecção portuguesa de râguebi despediu-se hoje da fase final do Mundial de 2007 com um desaire por 14-10 frente à Roménia, em encontro do grupo C, disputado em Toulouse, França

A selecção portuguesa de râguebi despediu-se hoje do Mundial2007 com uma derrota por 14-10 com a Roménia, em Toulouse, França, num encontro em que os “Lobos” chegaram a sonhar com a vitória.
No Estádio de Toulouse, um ensaio do pilar Joaquim Ferreira (18 minutos) e uma penalidade de Gonçalo Malheiro (69) não foram suficientes para ultrapassar uma formação romena fisicamente mais forte e que impediu Portugal de somar uma vitória histórica na sua primeira participação em Mundiais.
Contudo, a “melhor selecção amadora do Mundo” abandona a competição com um ponto somado no Grupo C, devido a ter perdido o jogo com a equipa de Leste por menos de sete pontos, e com um ensaio marcado em todos os jogos, incluindo frente ao colosso Nova Zelândia.
O encontro marcou também a despedida de vários jogadores veteranos da selecção, incluindo o “empresário” Joaquim Ferreira, que além ter marcado hoje o único ensaio de Portugal, capitaneou os “Lobos” devido à ausência do lesionado Vasco Uva. 
À semelhança dos outros três encontros na prova, Portugal entrou em campo sob grande pressão, com a equipa de Leste a prender os “Lobos” na sua área, mas a não conseguir “furar” a barreira defensiva lusa, que se mostrou bastante organizada.
Após alguma frustração nos primeiros 10 minutos, a Roménia começou a efectuar alguns erros na posse de bola, com Portugal a aproveitar para subir no terreno, graças aos pontapés longos de Cardoso Pinto e José Pinto, no sentido de aproveitar alguma lentidão demonstrada pelos jogadores romenos.
Numa grande arrancada do defesa António Aguilar, a selecção portuguesa chegou ao ensaio, aos 18 minutos, através do veterano Joaquim Ferreira, que finalizou da melhor forma uma jogada de insistência do “XV” luso, com Cardoso Pinto a concretizar o respectiva transformação.
A vencer pela primeira vez no Mundial, os “Lobos” conseguiram manter os romenos afastados da sua linha defensiva e optaram muitas vezes por jogar ao pé, à procura das arrancadas de Pedro Carvalho e Pedro Leal, e com a força de 138 quilos do pilar Rui Cordeiro.
Após o intervalo, a Roménia regressou dos balneários à procura de “vingança” e “sufocou” a equipa portuguesa junto à sua área mais recuada, com o “Lobos” a resistirem nos primeiros 10 minutos a várias tentativas dos jogadores de Leste em ultrapassarem a linha de ensaio.
A primeira ameaça de um “try” aconteceu aos 55 minutos, após uma jogada de insistência dos pilares romenos, em que o árbitro acabou por assinalar falta da Roménia, após recurso às imagens de vídeo.
Após o susto, Portugal, por momentos, conseguiu respirar e subir finalmente no terreno, mas voltou a ceder frente ao poderio físico da Roménia e sofreu um ensaio (63 minutos) concretizado pelo pilar Marius Tincu.

Em igualdade, os “Lobos” acordaram e voltar “à carga”, desta vez com o “pé quente” do recém-entrado Gonçalo Malheiro a somar mais três pontos, com uma penalidade (69 minutos) efectuada a 40 metros dos postes, que deu a miragem da vitória à equipa lusa.
Contudo, os festejos portugueses duraram apenas dois minutos, novamente com o poderio físico dos pilares romenos a ser determinante nas placagens junto à linha de ensaio e desta Corodeanu a somar mais cinco pontos.
A perder por 14-10, Tomaz Morais lançou na partida Paulo Murinello e Luís Pissara, num último esforço para garantir o ensaio que daria a primeira vitória de sempre de Portugal no Mundial, algo que acabou por não acontecer devido ao cansaço do “XV” luso.
No final do jogo, algum jogadores não conseguiram conter as lágrimas, juntamente com o capitão Vasco Uva, que assistiu à partida no banco de suplentes, numa altura em que os “Lobos” saíam do relvado aplaudidos pelo público de Toulouse e pelo “XV” da Roménia.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.