História

Restos mortais de Hitler foram cremados para não se tornarem objecto de culto


 

Lusa/AO Online   Internacional   8 de Dez de 2009, 10:58

Os restos mortais do ditador alemão Adolfo Hitler, salvo fragmentos do crânio e maxilares, foram cremados em 1970 e as suas cinzas atiradas ao rio Bideriz, revelam os arquivos do Serviço Federal de Segurança (FSB, ex-KGB) da Rússia.

“No dia 13 de Março de 1970, Iúri Andropov, presidente do Comité de Segurança de Estado (KGB) junto do Conselho de Ministros da URSS, enviou uma nota ao Comité Central do Partido Comunista da União Soviética onde defendia a necessidade da exumação dos restos mortais de Hitler, (Eva) Braun e da família de Goebbels e da sua destruição.

Assim surgiu o plano da acção rigorosamente secreta “Arkhiv”, realizada por um grupo operativo do Departamento Especial do KGB”, revelou Vassili Khristoforov, chefe dos arquivos do FSB da Rússia, numa entrevista à agência Interfax.

“A destruição dos restos mortais foi feita através da sua incineração numa fogueiro, acesa num lugar ermo da cidade de Schenebek, a 11 quilómetros de Magdeburg. Os restos foram queimados, reduzidos a cinzas, recolhidos e atirados ao rio Bideriz”, lê-se num dos documentos publicados.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.