Quinze dias sem comer não demovem ex-empregado da Esegur


 

Lusa / AO online   Nacional   9 de Nov de 2009, 17:43

Há quinze dias sem comer, Líbano Ferreira, ex-empregado da empresa de segurança Esegur, não desarma da greve de fome contra o que alega serem práticas erradas da empresa e apela agora aos accionistas.
"Não acredito que [os accionistas] saibam de algumas coisas que aqui se passam. Há pessoas que são despedidas e readmitidas várias vezes, pessoas que estão a causar prejuízo à empresa", disse em declarações à agência Lusa.

"Não tenho nada contra a empresa, trabalhei aqui durante seis anos, numa firma boa. De quem eu tenho razão de queixa é de meia-dúzia de indivíduos", acrescentou.

"Os accionistas que perguntem, eles que vejam e se informem, porque há mais colegas que não têm medo de falar, estão desejosos de alguém de confiança que os ouça", apelou.

Desde que iniciou a greve de fome, Líbano Ferreira tem criticado o que considera serem "práticas ilegais" na Esegur, como processos de despedimento mal feitos, sujeição de empregados a testes de polígrafo e formação deficiente.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.