Quatro listas disputam eleições na Ordem dos Enfermeiros com dois candidatos a bastonário

Quatro listas disputam eleições na Ordem dos Enfermeiros com dois candidatos a bastonário

 

AO Online/ Lusa   Nacional   3 de Nov de 2019, 11:08

Mais de 70.500 enfermeiros são chamados a votar na quarta-feira para escolher os representantes da sua ordem profissional, havendo quatro listas candidatas, mas apenas duas com elementos candidatos a bastonários.

Segundo os cadernos eleitorais publicados no site da Ordem dos Enfermeiros, há quatro listas que apresentam candidaturas, duas com candidaturas a bastonários e às várias secções regionais, enquanto outras duas são apenas dirigidas a órgãos regionais, uma da Região Autónoma dos Açores e outra da Madeira.

A atual bastonária, Ana Rita Cavaco, recandidata-se ao cargo, encabeçando a lista A, com o lema “Orgulhosamente com os Enfermeiros”.

A lista de Ana Rita Cavaco propõe no seu programa a implementação do internato de especialidade em enfermagem (à semelhança do que acontece com os médicos) e a definição de competências acrescidas em novas áreas de enfermagem, como a forense, oncologia ou do desporto.

Na lista de propostas surge ainda a criação do museu de enfermagem e de um gabinete de apoio aos enfermeiros.

Pela lista B, com o lema “Enfermagem – A Causa Maior”, surge como candidato a bastonário o enfermeiro Belmiro Pereira Rocha.

Entre as propostas da lista B estão um plano estratégico que determine as necessidades de enfermeiros das diversas categorias ou a promoção do “reconhecimento social dos enfermeiros”.

A lista de Belmiro Pereira Rocha propõe-se ainda a criar um fundo de apoio solidário aos membros da Ordem em situação de “comprovada vulnerabilidade”.

Disputam ainda as eleições de dia 6 de novembro as listas C e E, com candidatos, respetivamente, aos órgãos regionais da Madeira e dos Açores.

Além das quatro listas, uma outra viu-se excluída na candidatura que apresentou aos órgãos nacionais e regionais, anunciando que pretendia impugnar o ato eleitoral.

A lista excluída – “Dignificar a Ordem, Valorizar os Enfermeiros - rejeita os argumentos apresentados pela comissão eleitoral, considerando que se trata de “uma decisão ilegal e atentatória dos direitos dos membros da Lista e altamente lesiva dos interesses dos enfermeiros portugueses”.

A lista em causa considera lamentável a rejeição de todas as candidaturas que apresentou (aos órgãos nacionais e regionais – centro, norte e sul) e diz que revela “de forma gritante a necessidade de mudança dos órgãos sociais da Ordem dos Enfermeiros”.

Um dos argumentos da comissão eleitoral tem a ver com desconformidades em relação à lei da paridade entre homens e mulheres.

Entretanto, também a lista B, liderada por Belmiro Rocha, anunciou que apresentou uma ação no Tribunal Administrativo de Lisboa para impugnar as decisões da Comissão Eleitoral, considerando que “violam a lei”.

A lista B diz ter sido notificada de que a lista à secção Regional do Sul da sua candidatura tinha sido excluída por não cumprir a lei da paridade, ao apresentar mais mulheres do que homens.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.