PSD/Açores acusa Vasco Cordeiro de “incompetência” na gestão da SATA

PSD/Açores acusa Vasco Cordeiro de “incompetência” na gestão da SATA

 

Lusa/AO Online   Regional   19 de Jul de 2018, 16:09

O líder do PSD/Açores, Duarte Freitas, acusou esta quinta-feira o presidente do Governo Regional, Vasco Cordeiro, de revelar "incompetência" na gestão da companhia aérea SATA, que terminou o ano de 2017 com prejuízos de 41 milhões de euros.

"A forma como o Governo Regional do Dr. Vasco Cordeiro tem tratado a SATA, revela incompetência, desprezo e falta de transparência", insistiu o dirigente social-democrata, numa declaração política feita no plenário da Assembleia Legislativa dos Açores, reunida na cidade da Horta.

Para Duarte Freitas, essa "incompetência" da tutela levou a que a companhia aérea açoriana tivesse desvalorizado 160 milhões de euros nos últimos dez anos.

O social-democrata frisou ainda o "desprezo" do executivo, que ignorou os alertas sobre a "gravíssima" situação da SATA, procurando também "esconder" dos açorianos, a dimensão dos prejuízos.

"O Dr. Vasco Cordeiro mostrou que não tem capacidade, nem autoridade, para inverter o rumo desastroso que impôs à SATA", lamentou o líder dos sociais-democratas açorianos, que, perante este cenário, apelou a Vasco Cordeiro para que faça um "exame de consciência" sobre as "malfeitorias" que fez à empresa.

Em causa estão os prejuízos registados pela transportadora aérea açoriana em 2017, recentemente revelados, que demonstram que a SATA registou, no ano passado, os piores resultados financeiros da sua história (41 milhões de euros negativos), apesar das vendas terem aumentado no mesmo período.

Na ausência do presidente do Governo da sala de plenário e também da secretária regional dos Transportes, Ana Cunha, coube a Berto Messias, secretário adjunto da Presidência para os Assuntos Parlamentares, rebater as críticas da bancada do PSD.

O governante, recordou que, no ano passado, registaram-se vários fatores que contribuíram para os prejuízos da SATA (como o aumento do preço dos combustíveis, avarias em aparelhos e greves) e lamentou que Duarte Freitas tenha omitido essa informação na sua declaração política.

"Abordar os resultados da SATA esquecendo propositadamente estes fatores externos, não nos parece sério e não nos parece que seja intelectualmente honesto", advertiu o membro do Governo.

Também Francisco César, da bancada socialista, insurgiu-se contra as acusações feitas pelo líder do PSD/Açores, lembrando que alguns dos deputados da oposição chegaram a exigir, no parlamento, "mais voos para determinada ilha", "alugueres de aviões inter-ilhas" e até a "redução das tarifas aéreas", sem ter em conta os impactos financeiros que essas medidas poderiam ter nas contas da empresa.

O deputado socialista garantiu, por outro lado, que o Governo e o PS vão continuar a trabalhar para "reestruturar" a SATA, reforçar o seu capital e avançar com a alienação de 49% do capital social da Azores Airlines, no sentido de permitir à companhia "novas capacidades" no futuro.

Paulo Estêvão, deputado do PPM, lamentou, por seu lado, que o executivo socialista tenha escondido dos deputados e dos açorianos as contas da SATA de 2017, que só no início desta semana foram divulgadas, adiantando que os prejuízos de 41 milhões de euros registados pela companhia aérea, deviam dar direito a uma "punição".



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.