Açoriano Oriental
Primeiro-ministro da Hungria preocupado com ameaças climáticas e economia europeia

O primeiro-ministro da Hungria considerou a década passada como a mais bem-sucedida do último século, apesar de o país ser ameaçado pela crise climática, pelo declínio da população e por "ameaças sinistras” à economia europeia.

article.title

Foto: EPA/SZILARD KOSZTICSAK
Autor: Lusa/AO Online

Durante o seu discurso anual sobre o estado da nação, perante uma multidão de apoiantes e aliados políticos, o chefe do Governo da Hungria, Viktor Orban, voltou a atacar alegados rivais como a liderança da União Europeia, o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o filantropo húngaro-americano George Soros.

Orban, que voltou ao poder em 2010 quando a Hungria ainda estava sob um resgate financeiro internacional, disse que seu Governo rejeitou as exigências de mais austeridade e se livrou dos empréstimos do FMI para ter “mão livre” sobre as políticas económicas.

"Se tivéssemos seguido os conselhos, a Hungria estaria numa enfermaria de hospital, com tubos de dívida do FMI e Bruxelas pendurados em todos os membros e a torneira da dívida nas mãos de George Soros", disse Orban.

Segundo Orban o crescimento económico da Hungria (4,9%) ultrapassou amplamente a média europeia, apesar de o país estar ligado ao desempenho da Europa, já que “85% das exportações húngaras são destinadas a outros países europeus”.

"Portanto, o problema deles também é o nosso ", disse, acrescentando que “a única questão é até que ponto também será o nosso problema".

"A economia europeia, especialmente a da zona do euro, simplesmente parou", disse, estimando que o crescimento económico da Europa em 2020 seja “microscópico, no máximo".

No que toca ao declínio demográfico, Orban considerou que embora os incentivos económicos para casais e famílias numerosas tenham ajudado a conter essa tendência, são necessárias mais medidas.

Embora o número de casamentos tenha aumentado e os de divórcios e interrupções de gravidez tenham diminuído, "o declínio da população não parou" e os húngaros “continuam a ser uma espécie em extinção”, disse.

No discurso, o governante anunciou ainda políticas ambientais como o aumento de 27% de áreas florestais, medidas de proibição aos usos de embalagens plásticas não recicláveis e planos de criação de incentivos ao uso de carros elétricos.

Nesta última temática adiantou que os novos autocarros de transporte público licenciados a partir de 2022 terão que ser elétricos.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.