Açoriano Oriental
Presidente do Governo dos Açores diz que 2016 foi exigente mas há sinais de retoma
O presidente do Governo dos Açores disse hoje que 2016 foi um ano "ainda exigente" para as famílias açorianas, empresas e trabalhadores, mas que ficou também marcado por "vários sinais" de início de retoma económica.
Presidente do Governo dos Açores diz que 2016 foi exigente mas há sinais de retoma

Autor: Lusa/AO Online

“O ano de 2016, apesar de ter sido ainda exigente para muitas famílias açorianas, empresas e trabalhadores, ficou também marcado por vários sinais que dão conta do início de um período de recuperação económica, após a turbulência que todos sentimos e vivemos”, declarou Vasco Cordeiro, na sua mensagem de natal.

O responsável pelo executivo açoriano, apesar de sublinhar a recuperação em curso em “vários setores da vida coletiva”, salvaguardou que esta “nunca deve fazer esquecer” os desafios a vencer em nome de uma região “cada vez mais desenvolvida, unida e solidária”.

Vasco Cordeiro destacou que os últimos anos “foram complexos e desafiantes” pelos impactos causados pela conjuntura externa, mas pela forma como “todos enfrentaram essa tormenta” começam-se agora a “vislumbrar tempos de maior acalmia e de recuperação”.

“Os sinais positivos que nos chegam de uma retoma gradual, mas consistente, apresentam-nos resultados concretos na recuperação dos rendimentos das famílias, na geração de riqueza, mas, sobretudo, ao nível da criação de mais emprego, com a consequente redução progressiva do desemprego”, disse o governante.

O líder do executivo açoriano salvaguardou, contudo, que “este não é o fim do caminho”, mas “apenas e só, mais uma etapa” no percurso de desenvolvimento que “passará, também, e entre outros, pela consolidação do programa de promoção do sucesso escolar das crianças e implementação de uma estratégia concertada com a sociedade no combate à pobreza e à exclusão social”.

Vasco Cordeiro destacou, ainda, que vão ser implementadas medidas que “fortaleçam a criação de emprego” para os jovens e promovam a criação de condições para a melhoria do rendimento dos pescadores e dos agricultores, a par dos apoios sociais aos açorianos que se encontram numa “situação de maior fragilidade”.

O presidente defendeu que cada açoriano deve, nas suas profissões e na sua atividade diária, “empenhar o melhor do seu esforço e da sua energia, contribuindo para concretizar um cada vez melhor futuro para os nossos Açores”, sendo este, também, “um dos grandes desafios do novo ano”.

“Um desafio que convoca o contributo de todos – entidades públicas e privadas – e que só será efetivamente ganho se todos acreditarmos que é através desta conjugação de esforços, desta união de esforços e de boas vontades que vamos construir um futuro cada vez mais próspero para as novas gerações de Açorianos”, concluiu o governante.

 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.