Presidente do CES critica "obsessão" da troika em reduzir salários

Presidente do CES critica "obsessão" da troika em reduzir salários

 

Lusa/AO Online   Nacional   13 de Nov de 2013, 07:27

O presidente do Conselho Económico e Social (CES), José Silva Peneda, criticou a "obsessão" da troika em reduzir os custos unitários do trabalho em Portugal e defendeu a subida do salário mínimo nacional (SMN), contrariando a posição dos credores.

 

“Se há matéria que é tipicamente de concertação social é o salário mínimo nacional (SMN) e acho que o poder político tem de legislar sobre isso. Mas, claramente, o primeiro sinal é a concertação social que o deve dar e os parceiros sociais já se mostraram mais que disponíveis para tratar do assunto, mas a ‘troika’ não o permite”, disse Silva Peneda em entrevista à agência Lusa.

O antigo ministro do Emprego do Governo de Aníbal Cavaco Silva defendeu ser importante que “os parceiros sociais pudessem negociar”, a subida do salário mínimo, atualmente nos 485 euros.

No entanto, “não o podem aplicar, uma vez que a ‘troika’ não o permite até junho”, lamentou Silva Peneda, salientando que todos os parceiros sociais, incluindo as confederações patronais, já se mostraram disponíveis para aplicarem este aumento a partir de janeiro do próximo ano.

“A leitura que fazemos é que há uma disponibilidade muito grande por parte dos patrões. É evidente que seria desejável que isso não fosse negociado sozinho e há parceiros sociais que estariam disponíveis para negociar o SMN, mas gostariam que houvesse mais flores no ramalhete”, afirmou.

Se, por um lado, há setores que o podem aplicar de imediato, outros haverá que não o podem fazer, salientou Silva Peneda, acrescentando que são essas particularidades que algumas entidades gostariam de analisar.

Apesar da imposição externa “nas circunstâncias atuais, eu sou favorável à evolução do SMN porque isto teria um impacto positivo na economia e no consumo”.

Silva Peneda criticou igualmente a ‘troika’, composta pelo Banco Central Europeu (BCE), Comissão Europeia (CE) e Fundo Monetário Internacional (FMI), pela “obsessão” na redução dos custos unitários do trabalho em Portugal, tendo mesmo defendido a redução do SMN para os jovens, o que o Governo rejeitou.

“Uma das críticas que fazemos à ‘troika’ é que esta apostou tudo na redução dos custos unitários de trabalho. A obsessão da ‘troika’ foi a redução dos custos unitários de trabalho, a par com a reforma da legislação laboral, tudo nesse sentido, quando esse não é o fator de competitividade mais importante”, insistiu Silva Peneda.

O presidente do CES considerou ainda, a este propósito, que a competitividade do país não pode ser feita à custa da desvalorização salarial, pois “isso não garante futuro a ninguém e é apostar no desenvolvimento do terceiro mundo”.

“Com certeza que temos de manter os custos unitários controlados, mas não podemos basear a nossa estratégia de desenvolvimento unicamente nesse objetivo”, concluiu Silva Peneda.

 

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.