População do Pico da Pedra não aceita freguesia "às escuras" para reduzir custos


 

Lusa/AO online   Regional   10 de Set de 2012, 16:55

Um grupo de habitantes da freguesia do Pico da Pedra, na Ribeira Grande, Açores, está a promover um abaixo-assinado contra o corte total da iluminação pública durante a madrugada, que tem implicações ao nível da segurança

"A Câmara da Ribeira Grande mandou cortar a luz a partir das 02:00 e a freguesia fica toda às escuras", afirmou João Soares, presidente da Junta de Freguesia do Pico da Pedra, em declarações à Lusa, acrescentando que os munícipes "estão extremamente descontentes e indignados", pelo que decidiram protestar contra esta medida.

João Soares não quantificou quantas assinaturas já foram recolhidas, mas garantiu que muitas pessoas estão a aderir ao protesto, que visa reivindicar a restituição da iluminação pública na freguesia, acrescentando que o documento deve ser entregue "terça-feira" na Câmara da Ribeira Grande.

"Nem sequer foram tidos em conta os fatores de risco. A autarquia não viu as zonas mais críticas ao implementar esta medida", denunciou o autarca, salientando que outras localidades deste concelho da costa norte de S. Miguel também estão a promover iniciativas contra esta medida de contenção de custos.

O presidente da Junta de Freguesia do Pico da Pedra frisou que a localidade fica "vulnerável" à ocorrência de roubos e atos de vandalismo com estes cortes na iluminação pública noturna, alertando para um aumento da criminalidade nas últimas duas semanas.

Em alternativa ao corte total da iluminação pública durante um período da madrugada, João Soares defendeu a adoção de um sistema de alternância, mantendo um poste iluminado e outro apagado.

Contactada pela Lusa, uma fonte da PSP da Ribeira Grande admitiu que se tem "registado, desde há duas semanas, mais ocorrências de furtos e roubos a residências e em estabelecimentos onde a visibilidade noturna é reduzida".

Nesse sentido, a fonte policial salientou que está a ser analisada a possibilidade de ser pedida uma reunião com a Câmara da Ribeira Grande.

Por seu lado, o vice-presidente do município, José António Brum, assegurou que a freguesia "não fica totalmente às escuras", já que a autarquia optou por desligar "metade entre as 02:00 e as 03:00 e a outra metade entre as 03:00 e as 04:00".

José António Brum disse à Lusa que este horário foi uma "sugestão da Direção Regional da Energia, com o objetivo de reduzir os custos da autarquia e melhorar a eficiência energética".

Nesse sentido, recordou a "elevadíssima fatura" que a autarquia paga à Eletricidade dos Açores (EDA), que ascende a cerca de "25 mil euros por mês", o que levou a "esta solução de cortes na iluminação pública em todas as freguesias do concelho".

José António Brum afirmou compreender "a apreensão da população", assegurando que a autarquia vai "analisar as vantagens e desvantagens" da solução adotada.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.